quarta-feira, 10 de agosto de 2016

JO Rio 2016

Jogos Olímpicos rolando no Rio, muitos mimimis antes, durante e provavelmente depois e a vida segue....

Confesso que depois de um comentário emocionado de um amigo nas redes sociais fui ver a abertura dos jogos e gamei!

Não tive dúvidas de que a abertura seria linda. brasileiro sabe festejar, carioca faz o maior carnaval do mundo, não tem como essa combinação falhar, mesmo com a torcida contrária de muitos.

A vaia ao presidente interino foi bem posta, chamei de vaia olímpica, isso sim é estiloso, já entrou para a história.

A disputa entre coxinhas e mortadelas ferveu até por causa da vaia olímpica. Gente, por favor, na Copa era futebol, futebol combina com palavrão, Olimpíada não tem o clima de palavrões, combina melhor com vaia, simples assim.

Uma pena que a falta de investimentos no esporte não nos permitirá brilhar mais ainda com um quadro de medalhas daqueles, mas é maravilhoso saber que mesmo com tantas dificuldades esses atletas superam limites o tempo inteiro e ainda chegam lá.

Lamentável a importância desmedida que o brasileiro continua dando para a seleção masculina de futebol.

Tenho que concordar com a charge abaixo, é bem isso que define o que se tornou a seleção masculina há anos, não seria diferente nesses JO Rio 2016...





Pensa no rei da selfie que não compareceu na abertura dos JO? Pode Arnaldo? Tava concentrado, tava distante, tava nem aí com isso...

Enquanto isso Gisele brilhou magnífica, ao som de "Garota de Ipanema" entoado por Daniel Jobim...

Enquanto isso  Lea T foi a "abre alas" da delegação brasileira...

Enquanto isso Elza Soares reinou absoluta...

Enquanto isso Guga, Hortência e Cordeiro de Lima se emocionaram ao conduzir a tocha olímpica...

Enquanto isso a mensagem de inclusão, sustentabilidade, paz e união foi transmitida ao vivo para o mundo inteiro.

O espetáculo foi belíssimo, agora é curtir os jogos ou para as menos aficionadas como eu, ver os melhores lances.


 


quarta-feira, 27 de julho de 2016

Moto: Um Mundo Fascinante

A minha relação com o mundo automotor é de longa data, já no ventre, minha mãe conta que quando dentro do carro eu me agitava toda, provocava enjoos daqueles.

Toda noite até completar 3 anos chorava incessantemente, não dormia e não deixava ninguém dormir, então não era raro meu avô chamar um táxi e dar umas voltinhas até eu dormir.

Sempre adorei ficar vendo meu pai lavar o carro, fazer aquele trabalhinho de fim de semana, ir abastecer e coisas do tipo.

O primeiro carro zero que me lembro foi um Fiat 147, não esqueço a placa dele até hoje, meu pai era metalúrgico e trabalhava a noite, então o carro era nosso a noite toda, dentro daquela garagem, com aquele perfume da carro novo, passei a noite dentro do Fiat.

Bicicleta só fui ter a minha quando adulta, meu irmão sempre teve a dele e eu ficava com os restos. Meu sonho de consumo era uma Ceci, aquela cestinha me encantava!!!

Minha amiga ganhou uma Ceci dourada, coisa mais linda e eu fiquei com a bicicletinha velha dela!!!

Foram muitos tombos e diversão naquela magrela pequena e já detonada!!!

Quando meu irmão foi aprender a dirigir carro, lá íamos nós, meu pai, meu avô e eu no mesmo Fiat, rodar pelas ruas desertas da Cidade Universitária.

Enquanto meu pai, sem a menor paciência, explicava as coisas pro meu irão, eu ia dirigindo na minha imaginação, passava as marchas daquele câmbio duro do 147, soltava a embreagem devagar, sem dar tranco, fazia a prova de morro e ficava feliz da vida de estar no banco de trás.

Aos 17 anos meu irmão ganhou sua primeira moto, uma RX 125, era um show de moto, aquele barulho do "dois tempos" enchia os ouvidos.

Enquanto isso eu tive patins, amava aquela sensação de liberdade e vento na cara, mas não tinha o fascínio do motor... 

Desde os 10 anos eu garupava, acompanhava a movimentação dos rapazes na porta de casa, era como o mascote deles, ouvia as lorotas, sabia dos namoricos de todos, mas do portão para dentro.

Enfim chegou a minha vez de aprender a dirigir, lá vamos nós, meu pai e meu avô, para a mesma não tão deserta Cidade Universitária, aprender, mas eu já sabia tudo na teoria!!!!

Foi uma questão de pegar a prática e já pilotava, sem o menor medo, para o desespero do meu pai!!!!

Minha mãe criou coragem e teve seu Fusquinha amarelo, que nos levava insegura pra cima e pra baixo, mas ela não manobrava. Era bem divertido, eu era a copiloto, mas não podia dirigir.

Aos meus 17 anos também ganhei minha moto, porque na minha casa podia dirigir moto sem habilitação, mas não carro!!! Era uma Vespa branca, batizada de Maria Clara.

Clarinha me acompanhou por bons anos, me levava para a escola, mas quase nunca me trazia de volta. Era duro fazer a menina pegar no pedal na volta.

Muitas foram as vezes que a deixava na escola e vinha embora a pé ou meu irmão ia me socorrer.

De toda forma, vivi grandes aventuras e histórias maravilhosas com a Clarinha.

Minha amiga de infância Lígia, que tive o prazer de reencontrar há pouco tempo, coisas do Facebook, era minha garupa certeira.

Passávamos as tardes de sábado curtindo a vida no circuito dos bares, onde a moçada se encontrava.

Certa vez teve batida policial no Cidade Lírios, eu apoiada na Clarinha, tipo pin up mulambeira e o policial me aborda, na maior cara de pau soltei "não é minha, só estou pagando de gatinha" e dei linha, só observando.

Naquela época éramos mais safos, fiquei por horas sentada lá com a Lígia esperando a polícia ir embora, cheguei em casa e foi aquela bronca. Meu argumento para o pai: "ou chego tarde ou chego a pé".

Quando comecei a namorar, a moto fazia parte da relação, lógico, já não tinha mais a Clarinha, mas ele tinha a dele.

A minha sonhada bicicleta ganhei de presente do namorado, mas não era a Ceci, enfim, mas ainda assim tive uma bicicleta para chamar de minha!!!!

Casei com o namorado, a moto sempre fazendo parte da nossa vida.

Os amigos também tinham moto e tínhamos um grupo pequeno, mas bacana, que saia de moto por aí.

Certa vez fomos em 3 casais para Santos de moto, um fim de semana que começou quente e ficou gelado no meio do caminho.

Tínhamos uma DT, aquele "2 tempos" jogando óleo. Não se tinha mala de viagem, equipamento de proteção, era capacete, jeans, jaqueta, tênis e mochila nas costas.

O frio me obrigou a usar a mesma roupa o FDS inteiro, na volta a roupa era puro óleo, mas nos divertimos muito.

Outras tantas viagens fizemos de moto, com sol, com chuva, com muita chuva, com frio e assim fomos desbravando o mundo.

Aqueles sonhos de consumo de ter a moto tal, acabaram se tornando realidade, hoje é possível ter qualquer moto, quem tem crédito tem tudo o que quiser.

Os tempos mudaram, os amigos não viajam mais de moto conosco, mas continuamos motociclistas e com novos amigos motociclistas.

Fazemos longas viagens, cruzamos fronteiras e conhecemos lugares maravilhosos.

Aos 40 anos decidi que ia fazer minha habilitação de moto, é isso aí mesmo, pilotava na adolescência, mas transgredi e não tirei carta!!!!

Não foi fácil passar pela burocracia toda, mas consegui e como boa sonhadora, comprei minha moto antes da habilitação sair.

Só que sonhei grande, comprei uma moto grande, linda e  pesada!!!!

Encarei com determinação minha Bonnie, o peso dela com a minha falta de habilidade me derrubam de vez em quando, nada grave, sempre em manobras de baixa, mas o chão é o limite!!! 

Invertendo a ordem natural, comprei uma Fazer 150, levinha, prática para o dia-a-dia, uma relação de amor com minha Fáfa.

Hoje, dia do motociclista, mais um dia comum para quem tem a moto como parte da sua vida, vale a pena refletir sobre as experiências vividas tendo a moto como companheira. Vale a pena sonhar com novas estradas, novos roteiros e planejar novas experiências.

Planejamos ir para o Atacama, mas antes disso, há muita estrada pra rodar por aqui, muitas experiência por viver, muito vento na cara pra sentir...

Motociclista é uma criatura estranha mesmo, concordo com quem disse isso, afinal de contas, só eles entendem o prazer dessas dificuldades todas em estar sobre a moto.

São as mudanças climáticas, a exposição ao sol, calor, chuva, frio, o cansaço de longas horas de viagem, o sono de quem está na garupa, o isolamento do capacete, o pouco espaço para bagagens, o cabelo desarvorado ao tirar o capacete...

O motociclista é um espírito livre, desapegado de bagagens, secador de cabelo, travesseiro...

O motociclista é uma pessoa feliz e isso basta!!!

Não importa a cilindrada da sua moto, não importa se é nova, não importa nada disso, o importante é poder ligar o motor e ser livre.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Quanto Vale?

A tragédia do rompimento da barragem do Fundão, na cidade de Mariana/MG aconteceu em 05/11/2015, dias após nosso retorno a uma viagem deliciosa até Inhotim.

Ficamos tentados a visitar Ouro Preto e Mariana na ocasião, mas o tempo foi curto e ficamos de retornar em um futuro próximo.

Retornamos em 05/06/2016, fomos então conhecer a belíssima Ouro Preto, cidade de conjunto arquitetônico maravilho e patrimônio da humanidade, merecidamente.

Por ironia da situação, a Vale, gigante das mineradoras, é a patrocinadora do projeto do Trem da Vale, ou seja, mantém um trem que faz o percurso Ouro Preto/Mariana e vice e versa, levando turistas para desfrutarem as maravilhas das duas cidades.

O passeio é muito agradável, o trecho da ferrovia nos brinda com paisagens magníficas, que para os amantes de história é uma aula a céu aberto.

Em Mariana fomos abatidos pela notícia de que nosso bairro sofrera muito com a passagem de um tornado ou uma micro explosão, já que os especialistas não se acertaram sobre o fenômeno.

Com isso nosso dia em Mariana foi afetado e não desfrutamos plenamente de suas maravilhas, mas mesmo assim indagamos sobre a tragédia e sobre a possibilidade de visitar a região mais afetada.

O distrito de Bento Rodrigues fica distante da cidade de Mariana e mesmo dos pontos mais altos a cidade, não foi possível avistar o rastro de destruição deixado pelo rompimento, mas foi possível sentir no ar a tristeza de seus moradores.

Lamentei não poder ver de perto o rastro de destruição, não porque goste de destruição, mas porque o impacto da imagem vista in locu é incomparável.

Fui informada que para visitar a área afetada é preciso agendar com a Defesa Civil, já que o roteiro tornou-se turístico!!!

Impossível encaixar tal agendamento no nosso roteiro de viagem!!! De toda forma, não saiu da minha cabeça essa tragédia e ainda tenho muita curiosidade de ver de perto seu rastro.

Para minha surpresa, na edição de julho da revista Piauí, a qual sou assinante, trouxe duas matérias muito boas sobre o assunto e confesso que chorei durante grande parte da sua leitura, ao ler relatos dos personagens da vida real.

* Foto: Cristiano Mascaro e Pedro Mascaro, edição 118 Revista Piauí

Chorei de tristeza pelo desespero daquelas pessoas, chorei de tristeza pela falta de responsabilidade da proprietária da barragem por não prever que um acidente dessa magnitude pudesse acontecer, chorei por saber que não existia e não existe nenhum plano de contingência para o rompimento de barragens de rejeitos, chorei pela falta de atitude dos dirigentes da Samarco, chorei pela tragédia ambiental no Rio Doce, simplesmente chorei de tristeza por ser brasileira!!!

Impensável saber que os exploradores econômicos da extração mineral não se preocupam de fato com o meio ambiente e muito menos com o impacto de suas atividades na população do entorno.

Na mesma viagem tivemos a oportunidade de ir conhecer Belo Vale, uma cidade que o nome a define perfeitamente, mas que  me causou um pavor tremendo ao ver os impactos da extração de minérios.



As montanhas verdes são consumidas com escavações, tornando-se gigantescos buracos cinza, marrom, cor de sujeira, sem vida, lembrando aqueles filmes de guerra, com grandes áreas devastadas.


 
Belo Vale ainda está segura, mas a pressão das mineradoras para explorar as suas montanhas é gigantesca e sabemos que as autoridades políticas não se importam com o bem estar da população, mas apenas com o jogo político corrupto do ganha-ganha.

Lamentei por Belo Vale, lamentei por aquela paisagem que nada deve às paisagens européias, lamentei por saber que a força do homem será maior que a da natureza e que corremos o sério risco daquele lugar se transformar completamente.

As classes dominantes brasileiras têm muito a aprender e a sofrer, não necessariamente nessa mesma ordem, pelas ações e comportamentos que praticam

O eleitor brasileiro igualmente tem muito a aprender e a sofrer pelas escolhas que faz.

O planeta Terra sobreviverá sem o ser humano, mas o ser humano não sobreviverá sem o planeta Terra, mas pensar nisso pra quê?! Vamos aproveitar ao máximo, no futuro não estaremos aqui para vivenciar a degradação?!

Enquanto isso, as áreas e as pessoas afetadas pela tragédia esperam as tão prometidas providências para a restauração da vida, mas enquanto isso, as autoridades e as classes dominantes vivem sua vidinha frugal do jogo do poder...


quinta-feira, 5 de maio de 2016

Nise: O Coração da Loucura

Recomendo o filme brasileiro "Nise: O Coração da Loucura", com Glória Pires e grande elenco, com direção de Roberto Berliner, em cartaz nos cinemas.

O filme retrata com doçura e firmeza a trajetória da psiquiatra Nise da Silveira, médica arretada de Alagoas, que enfrentou com maestria o machismo dos anos 40, em um ambiente dominado pela insanidade dos seus colegas médicos.




Basicamente o filme acontece dentro do hospital psiquiátrico de Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, hospital esse onde as pessoas vitimadas com distúrbios mentais de toda natureza eram abandonadas por seus familiares.



As cenas chocam pelo realismo e pelas mazelas humanas, retratadas sem melindres, mostrando como esses pacientes eram marginalizados pela sociedade e pelos médicos.



A psiquiatria  é uma especialidade médica que evoluiu muito, mas a duras penas, submetendo indevidamente muitas pessoas a choques e lobotomias desnecessárias, mas quem se importava com pacientes marginalizados e abandonados?

Dra. Nise da Silveira se importava e muito com cada um deles e fez a sua parte, revolucionando o tratamento psiquiátrico, introduzindo o tratamento humanitário com a ajuda da arte, explorando o inconsciente dos seus pacientes, tratados como clientes.



Vale a pena ver o filme e pesquisar um pouco mais sobre a vida dessa mulher, que nos deixou em 1999, mas não sem antes deixar um legado infinito.

* Fotos: Extraídas da página do Facebook.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Nada Fofo

Fantástico o trabalho de conscientização desenvolvido pela ONG PEA, sobre a criação de cães para comercialização.

O vídeo lançado no último dia 30/04 mostra o quanto pode ser "Nada Fofo" a compra de filhotes em lojas e canis especializados.



O vídeo foi produzido pela agência de publicidade Leo Burnett, mostrando com certo ar lúdico os bastidores de todo processo de criação de cães. A ideia de usar bonecos animados manualmente dá o tom lúdico, sem perder o foco da realidade.

Muitas pessoas realmente nem imaginam o que está por trás da compra daquele filhotinho lindo nas lojas, feiras e canis, sendo conivente com as práticas abusivas de produção em massa de filhotes.

Quando se compra um filhote, não é possível ter certeza sobre sua procedência e práticas adotadas pelo criador, então, você assume o risco de toda essa cadeia de maus tratos e abusos, #nadafofo.

Há milhares de animais abandonados à espera de adoção consciente, há inúmeras ONGs que atuam nesse segmento e fazem a ponte entre você e o animal abandonado, não é preciso pagar por filhotes.

Entre os animais abandonados não há apenas os sem raça definida, gentilmente conhecidos como vira latas, há muitos animais de raça também, então se a desculpa para comprar era essa, acabou, mesmo porque todos os animais merecem o mesmo bom tratamento, independente da sua raça, cor e sexo.

Compartilhe essa campanha Nada Fofo, visite o site, faça a sua parte.



terça-feira, 3 de maio de 2016

Serra da Bocaina


Que tal conhecer essa região adorável e de clima agradável?

A Serra da Bocaina fica na divida dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, composta por rica vegetação, fauna, flora, hidrovias, etc., proporcionando ao visitante experiência incríveis.

É ótima para quem curte trilhas, sejam de moto, carro, bicicleta ou caminhando, tem paisagens de encher os olhos e ainda por cima é uma região gastronomicamente apetitosa.

A Serra da Bocaina abrange a parte alta e a parte baixa, a primeira na parte alta da Mata Atlântica, no município de São José do Barreiro (SP) e a parte baixa, no litoral, em Paraty (RJ).



Conheci a parte alta, ficando hospedada em São José do Barreiro, cidade de 4 mil habitantes, no Vale do Paraíba, nas proximidades da divisa do estado de São Paulo.

A cidade foi fundada no século XVII, como ponto de passagem dos tropeiros que faziam a viagem entre as Minas Gerais e os portos de Mambucaba e Paraty, já n o litoral, para escoar o ouro extraído. 

O então arraial era conhecido como "Barreiro", não entendeu porque, deixa chover que você entenderá!!!



Lá também existia a pequena capela de São José, logo o arraial foi elevado a município, em 1859, passando a se chamar São José do Barreiro.

A cidade também viveu tempos gloriosos na época do café, tendo ainda belas fazendas para contar história e fazer belas fotos.



O povo é hospitaleiro e acolhedor, aquele misto entre interior paulista e minas, dando um toque todo especial a quem visita a cidade.

Atualmente a economia é baseada no turismo ecológico e na agricultura.

Ainda tem o maravilhoso Parque Nacional da Serra da Bocaina, com sua área preservada, com trilhas belíssimas, cachoeiras e vegetação de tirar o fôlego.



A estrada que leva o visitante de São José do Barreiro ao PNSB é a Francisca Mendes Ribeiro, é uma bela serra sinuosa, com trechos alternando entre terra, brita e asfalto, mas sem traumas é possível fazer seus não mais que 30 km, curtindo a vista.



A impressão que tive ao fazer o percurso completo entre o PNSB e SJB era de estar nas estradas européias, mas nos trópicos. Vale a visita.

Se tiver um veículo 4x4, souber navegar e curtir belas trilhas, esse é o lugar!!! Cortar fazendas, estradas rurais, subindo montanhas, atravessando rios e ainda se divertir muito, não é para todos.



No fim do dia ainda é possível curtir uma cerveja artesanal no Rancho São José do Barreiro, na praça da igreja, comendo deliciosos petiscos e fechar com chave de ouro a noite com um belo brigadeiro.



A região possui alambiques, laticínios, produção de biscoitos caseiros, cervejaria artesanal e muito mais.

Ah, em noites e lua cheia é possível apreciar a noite clara e curtir a vida a dois...


* Fotos acervo pessoal.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Uma Inspiração e Um Espírito Livre

Para inspirar o FDS que se aproxima, um vídeo que me encantou e quem curte andar de moto e cachorros como eu, vai entender a felicidade da situação.



Mais vida nesse corpo, por favor!!! Senhorinha adorável essa do vídeo, vamos chegar lá...

#amomoto
#letsgoriders
#fortheride

quarta-feira, 9 de março de 2016

Game of Thrones Season 6...

Os que gostam e acompanham a saga de Game of Thrones estão meio que órfãos de pai e mãe, já que o livro 6 ainda não saiu e a temporada 6 do seriado também não, mas isso vai mudar...

Em 24/04 próximo estreia simultaneamente no Brasil e nos EUA a temporada 6 tão esperada.

Já rodam nas redes sociais alguns trailers da temporada 6 e o mais recente foi divulgado essa semana, já dando a dimensão do que virá por aí..



Façam suas apostas sobre Jon Snow, porque Cersei já disse que escolheu a violência. Sr. Davos também está preparado para a batalha, quem mais?

Chega logo dia 24/04...

segunda-feira, 7 de março de 2016

Odeio essa hipocrisia patética que assola o ser humano.

Pensa em uma pessoa no grau máximo de irritação...pronto, essa pessoa sou eu, hoje, segunda-feira, dia 07/03/2016.
 
Odeio o sistema de peticionamento eletrônico, odeio com todas as minha forças!!! 
 
Como um país pretende ir pra frente se nem mesmo o tão avançado sistema de peticionamento eletrônico funciona direito? São várias horas tentando ininterruptamente anexar um documento, é de tirar qualquer mortal do sério.
 
Odeio essa chuvarada que não acaba mais, que se dane o Cantareira, a vida precisa de sol para germinar e as roupas para secar também!!!
 
A grama do quintal parece um matagal, até a Pepper some no meio da grama crescida. 
 
E as formigas que estão se preparando para o rigoroso inverno 2016 nos trópicos, estão cortando todas as  plantas, menos a grama imensa, e levando para sua casa elaborada e escondida sabe-se Deus onde.
 
O lamaçal no quintal está bem interessante também, nada como ter um piso customizado por patas de cães...
 
Odeio alterar cadastros eletrônicos, odeio com todas as minhas forças e as dos meus amigos e inimigos também!!!
 
O IG resolveu que não vai mais oferecer o seu serviço de e-mail grátis e as marmotas que se danem para alterar todos os milhões de cadastros eletrônicos, nos milhões de sites que usamos e ainda por cima, mesmo depois de atualizá-los, a coisa não funciona!!!
 
Odeio esse povo que fica se matando em agressividade entre os que amam e os que odeiam PT e PSDB, respectivamente, enquanto o país se afunda em corrupção. Afinal de contas, jamais assumir a corrupção do meu mandatário, sabendo que o mandatário do outro também a praticou.
 
Enquanto a massa que se acha muito crítica e inteligente troca sutilezas nas redes sociais e pedras nas manifestações, nossos corruptos de todos os partidos brindam com suas contas bancárias no exterior, provavelmente na mesma instituição financeira em algum paraíso fiscal.
 
Estou com dó da Suiça, que de em cima do muro que tanto viveu, decidiu acabar de vez com a má fama e abrir os dados dos seus depositantes corruptos mundo a fora.
 
Odeio essa hipocrisia patética que assola o ser humano.
 

quarta-feira, 2 de março de 2016

Este mundo é redondo, mas está ficando chato.

O mundo não é mais o mesmo!!!

Pensando bem, acho que as pessoas não são mais as mesmas, está tudo muito chato, é uma polarização entre direita e esquerda, certo e errado, branco e preto, petistas e tucanos, republicanos e democratas...

Um ódio declarado de um grupo contra o outro, sem nem se dar conta de que há uma imensa distância entre um polo e outro, onde milhões de pessoas se encaixam, mas não conseguem se expressar, já que não estão nos polos.

Só os "ódios" têm vozes, parece que não concordar nem com um, nem com outro polo é pecado mortal.

Atire a primeira pedra quem nunca sofreu o linchamento virtual...

O ser humano vem desenvolvendo um talento perigoso para odiar e expressar seu ódio nas redes sociais, sem pensar nas consequências das atitudes.

De opressor a oprimido e vice-versa é um tirico de espingarda!!!

Cansei dessa gente que não tem o que fazer e se vê empoderada nas redes sociais!!!

Cansei de dar ibope para os abestalhados sedentos de informações vazias e rasos de conhecimento!!!

Cansei de ver massas manipuladas se achando formadores de opiniões!!!

Cansei de ame ou odeie, isso me lembra o slogan militar "Brasil: ame-o ou deixe-o", ah tá, você aí é vazio e raso, esqueci!!!!

Cansei dessa classe média brasileira empobrecida pela desvalorização do Real e resmungona de não movimentar a economia da Flórida!!!

Cansei de ouvir que os Estados Unidos que são bons, a super terça 2016 que o diga, ah tá, você aí é vazio e raso, esqueci de novo!!!!

Cansei de ouvir críticas calorosas contra a corrupção, mas ver a criatura jogar lixo pela janela do carro, furar fila, pagar propina para o policial de trânsito, comprar meia entrada com documento falso, sonegar tributos, andar com seu carrão/motona com documentos irregulares, estacionar em vaga de portadores de necessidades especiais e ainda sair mancando...

Não sou e nem pretendo ser a politicamente correta, todos erram, eu não sou diferente, mas vamos combinar que tá muito difícil viver nesse mundo de gente estúpida e hipócrita?!

Quero mais é viver a vida, escapar dessa paranoia de super exposição, de compartilhar a cada espirro meu status, viver no anonimato feliz e contente.


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Superhéroes em Latino América

Você consegue imaginar o que seria a vida dos super heróis vivendo fora dos EUA? 

Você consegue imaginar como seria a vida deles morando na América Latina?

Então, Verne Jorge Ulloa consegue e foi além, juntamente com outros amigos da Escola de Cinema, criou o projeto "Superhéroes em Latino América" e está arrasando com seu canal  Enchufe TV no YouTube .

A ideia do projeto é simples, nasceu da necessidade de expressão televisiva do grupo em busca de conteúdo que as pessoas queiram ver, independente de audiência.

Simples, mas nada fácil, tendo em vista a pressão das redes por audiência e tudo que vem com ela.

Inicialmente eles pensaram em criar um super herói latino-americano, alguém que fosse a cara dessa América marginalizada por muitos, mas depois perceberam que seria muito mais divertido inserir os super heróis no contexto da América Latina, com todas as suas dificuldades e problemas.

Pronto, a fórmula perfeita para desenvolver o projeto "Superhéroes em Latino América".

A produtora Touché Filmes nasceu no Equador e colocou em prático o que muitos nem imaginavam...

Os super heróis foram exilados dos EUA para a América Latina, pois as autoridades declararam que eles eram uma ameça para a segurança nacional, transferindo-os para um local onde a destruição que causavam não seria tão notada.

Mas como seria a vida do Homem Aranha, tentando saltar dos arranha céus nada abundantes na América Latina?

Pensa no Batman não sabendo falar espanhol com aquele bom humor todo?

E a Mulher Maravilha com seu modelito em trajes sumários e brilhantes correndo pelas ruas das capitais latino-americanas?

Como o Wolverine seria tratado ao passar por um detector de metais?

Para mostrar esses desafios e muito mais, a Touché Filmes produziu em Bogotá, o primeiro filme do projeto e alcançou muito sucesso.





A equipe da Enchufe TV soube levar para o filme idiossincrasia latino-americana, colocando-a frente a frente com a norte-americana e a temperando com o ingrediente fundamental de seu trabalho: o humor. 

Com isso fica fácil um colombiano, um equatoriano ou um mexicano se identificarem e se divertirem muito vendo como o Homem-Aranha falha algumas vezes ao tentar saltar de um prédio para outro, porque nas cidades da região não há tantos arranha-céus. 

Para os brasileiros essa idiossincrasia latino-americana não existe com a mesma intensidade, já que somos os únicos de língua não espanhola, mas mesmo assim é perfeitamente possível se identificar com algumas situações e em 100% dos casos, se divertir muito com as cenas recriadas.

Com o sucesso alcançado, a produtora já trabalha no filme 2 e para tanto contará com a presença do ator Jorge Enrique Abello, que interpretou Don Armando em Betty, a Feia.

Jorge Enrique será o Super Homem e só aceitou participar do projeto por insistência das suas filhas, que já conheciam a Touché Filmes e a Enchufe TV, mostrando a força da geração Millenium.

Agora é aguardar as novidades com esses super heróis nas ruas de Bogotá... 

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Saber Dizer Não


Precisamos dizer não...para aquilo que nos faz mal, que nos prejudica, que nos deixa triste.
Precisamos dizer não...quando ultrapassar os nossos limites pessoais, quando for ferir os sentimentos de alguém, quando não for ético.
Precisamos dizer não...ao preconceito, à violência, a tudo que é contrário à Vida!
Aprender a dizer não é essencial para manter a nossa qualidade de vida e a saúde dos relacionamentos.
E você, sabe dizer não?

Desconheço a autoria do texto acima, mas assino embaixo dele, pois dizer não é fundamental para manter a sanidade mental e a integridade física do indivíduo.

Como diz uma amiga querida, "onde compro?", não está à venda, mas escondidinho dentro de você essa capacidade de dizer não, quando de fato não se quer algo.

Permita-se esse luxo, respeite seus limites, imponha limites aos demais e você viverá melhor.

Fica a dica para essa semana que já começou.

* Foto e parte do texto extraído de https://www.facebook.com/Psiconlinebrasil/

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Sai Daí, Mulher!!!

Começando com mais um clichê, o tempo voa...nem vi o fim de ano passar e não é porque estava de férias "sargando o lombo" em alguma praia paradisíaca não, mas porque trabalhei muito!!!

É meu bem, em tempos de crise, quem tem trampo de sobra, trabalha sorrindo no Natal, Ano Novo, todo dia, o dia todo, afinal de contas, as contas de janeiro são muitas e já pagas!!!

Além do trampo e da crise que nem pareceram que era fim de ano, teve também um clima atípico, desses que faz a gente pensar se é mesmo verão, porque há muito que a chuvarada não era tão forte, intensa e prolongada.

Agora então com essa queda da temperatura, ainda mais me sinto fora dos trópicos, curtindo um friozinho fora de época, desses bons para dormir #sqn, quem tem tempo para esse luxo?

Nem pisquei e janeiro já quase chegou ao fim, mas ainda dá tempo de curtir o melhor mês do ano...

Alguém aí revisou a lista e planos de 2015? E aí, metas alcançadas? Piada?! Que nada, criatura de pouca fé ou esforço, não conseguiu gabaritar?

Eu nunca consigo, deve ser algo do tipo uma reserva para manter a média de esforços, mas sem atingir o máximo, afinal de contas tem o próximo ano para fazer o que não deu tempo, será mesmo?

Por que será que alguns itens dessa famigerada lista sempre são empurrados para o ano seguinte?

Porque não são nada fáceis de alcançar, exigem esforços além dos que estamos dispostos a fazer, simples assim. Mas desistir? Jamais, coloca na lista do ano que vem...

Procrastinação é uma unanimidade nesse mundo de atrativos mil, sem grandes esforços.

Bom, vamos continuar a labuta, porque o tempo urge.

2016 já chegou causando!!!