sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Fusca 2013


O tempo não passa, voa, em 18/04/11 e em 18/10/11 trouxe aqui publicações sobre o novo Beetle, da VW e hoje mais uma vez trago novidades sobre o carro.

O novo modelo já havia sido apresentado, bem como motorização e alguns detalhes, então a expectativa era por conta de quando efetivamente desembarcaria por aqui e a que preço.

Vamos por partes, esquema Jack, será oficialmente apresentado e lançado no Salão do Automóvel em outubro/12, chegando nas lojas em novembro, mas o preço ainda é uma incógnita, muito embora já saibamos que será caro, como qualquer carro no Brasil.

Quem não lembra do comentário recente feito por Kenneth Rapoza, da revista Forbes, sobre os preços praticados pela Chrysler e Jeep no Brasil, que vamos combinar foi acertadíssimo.

Brasileiro quer fazer bonito para o vizinho, para o colega do clube e paga preços altíssimos por carros, enquanto a consciência do consumidor não mudar, as empresas continuarão cobrando o preço que quiserem, mas falamos sobre isso outro dia.

O Beetle desembarcará por aqui mais do que com ar vintage e saudosista, trará na sua retaguarda o nome Fusca, ícone da marca no mundo, com vendas superiores a 21 milhões de carros até a sua aposentadoria oficial em 2003.

A escolha de resgatar o nome Fusca não foi assim tão óbvia e simples como podem pensar alguns, a montadora enfrentou dificuldades em adotar o nome Fusca para o Brasil, pois alguns entendem que o nome Beetle deveria ser usado mundialmente, consolidando a plataforma globalizada de comercialização do veículo e aproximando-se do luxo e requinte do antecessor New Beetle, descolando do marketing de carro popular no Brasil.

Voto vencido, no Brasil será mesmo Fusca, mas não será um Fusca qualquer, terá uma linha de souvenirs exclusiva, com camisetas, bonés e coisas do tipo.

Com suas linhas mais arrojadas e menos, digamos assim, femininas, a montadora intenta alcançar mais o público masculino com essa nova versão, que foi remodelada no designer e na motorização, para maiores detalhes sobre isso vejam os posts anteriores.

Quanto ao preço, vamos tratar da seguinte forma, será produzido no México, que tem acordo automotivo com o Brasil, o seu preço de venda no México é de R$ 52.500, logo, por aqui vai desembarcar custando a bagatela de algo em torno de R$ 84.000, já que o referencial é do Jetta, com quem compartilha plataforma e motor e que aqui tem esse preço.

Nada popular esse Fusca! Outra coisa, nada de branco, que cor mais sem personalidade para carro, um modelo desse merece cor mais interesante! 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

É Preciso Saber Viver


De Roberto Carlos aos Titãs a música “É Preciso Saber Viver” diz muito há gerações e encanta os corações mais indecisos nessa árdua tarefa de se aprender a viver.

Viver bem sempre é fácil para quem sabe viver, mas para quem ainda não aprendeu, pode ser uma missão quase impossível.

Com a internet e as redes sociais tão presentes na vida das pessoas, cada vez mais as pessoas se fecham no mundo virtual, compartilham ideias, felicidades virtuais, amigos, vídeos, fotos, criam uma realidade que não pode ser compartilhada no mundo real.

Há piadas sobre isso nas redes sociais, onde tudo é perfeito, sem sofrimentos, dores, perdas e frustações, pena que não é real.

A vida é muito simples, nós é que não temos capacidade para aceitar essa simplicidade e complicamos as coisas, já diz meu pai, é mais fácil complicar do que simplificar, ele tem toda razão.

Toda vez que vou programar viagens fico pensando em como a gente se contagia pelas histórias das viagens dos amigos, as fotos daqueles lugares maravilhosos que alguém foi e você quer muito ir.

Por outro lado, penso também que idealizar o que o outro já fez não é muito inovador, tento criar um roteiro que, mesmo já batido, possa me proporcionar algo novo, experiências novas, fotos de lugares que passaram desapercebidos por outros turistas.

Comer aquele prato indicado é legal, seguro eu diria, evita transtornos, mas me priva do novo, do inusitado, da experiência, do erro e acerto.

Viajar é criar a sua história, é viver intensamente aquele momento, seguir dicas é salutar, mas seguir roteiros prontos é perder a surpresa da pedra no meio do caminho.

É quase impossível sairmos para algo novo, seja uma viagem, um restaurante, uma estrada, um livro, etc. sem buscarmos informações na internet, fico me perguntando se realmente precisamos disso.

Há alguns anos atrás não tínhamos nem mesmo telefone celular e internet, mas vivíamos intensamente as coisas, ninguém morreu porque ficou sem saber o caminho ou a quantos quilômetros a frente estava o posto mais próximo.

Muita informação pode azedar a vida de qualquer um, vale aquela máxima de que o menos é mais, mas muitos não conseguem encarar essa simplicidade e vivem conectados full time.

Quando vejo a história da humanidade e penso na teoria da evolução, fico pensando se seria mesmo uma evolução a caminhada humana, me parece muito mais uma involução do que qualquer outra coisa.

Concordo que em avanço tecnológico e científico foi evolução, mas em comportamento humano já não tenho essa certeza, os valores morais e éticos mudaram muito.

Alguns podem dizer que ainda bem que mudaram, mas outros podem pensar diferente, acho que estou nesse segundo grupo, não creio que mudaram para melhor.

A maldade e a crueldade ganharam requintes tecnológicos, a verdadeira natureza humana mostra sua face, inadmissível que com tantos recursos ainda exista fome nesse planeta.

O ser humano perdeu o referencial do seu próximo, o que os olhos não alcançam o coração não sente e a gente finge que não sabe.

Ainda precisamos muito aprender a viver. 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Impala Unhas Artísticas


A Impala traz uma novidade ao mercado que vai agradar muito quem gosta de nail art!  
O lançamento “Impala Unhas Artísticas” vem com mais de 50 itens para criar unhas diferentes a cada dia.

Unhas postiças desde a comum francesinha até as com estampas, poas e metalizadas, glitters diferenciados, critais, pincéis para decorar e auxiliar na aplicação dos acessórios e cortador de unhas artificiais.

Informações do release oficial da marca: 

Brincar e personalizar as unhas são as palavras de ordem para este verão! Para ajudar as mulheres que gostam dessa tarefa, a Mundial Impala lança no mercado a primeira linha completa de unhas artísticas. A ideia é ajudar a consumidora a usar sua liberdade e criatividade de personalizar suas unhas, usando peças diferenciadas para decorar como ela quiser e quantas vezes achar divertido mudar seu estilo.
 Por isso, a linha – a primeira e mais completa do mercado brasileiro – possui mais de 50 itens, de qualidade superior, divididos em três categorias, que exploram um universo colorido e diferente para apostar no visual customizado.

Decoração: vem com cristais e glitters em formatos e cores bem variadas para mesclar tons pastel com cores fortes, por exemplo – tendência da próxima estação – além de lindos e delicados modelos de flores para aplicação.
Unhas Artificiais: dos modelos mais tradicionais como a Francesinha até os mais ousados como as metalizadas com desenhos de caveira e estampa de zebra.
Acessóriospincéis próprios para decorar e auxiliar nas aplicações e cortador de unhas artificiais.

As unhas artísticas estão ganhando cada vez mais espaço entre o público feminino e também entre as celebridades. Famosas como Katy Perry, Adele e Rihanna vivem lançando moda com seus estilos customizados de unhas.
Esta linha de Unhas Artísticas da Mundial Impala é voltada principalmente, para as mulheres que gostam de fazer essas customizações sem precisar ir ao salão, já que a marca oferece uma linha diferenciada e completa de itens com cores vibrantes.

A novidade chega às lojas em novembro e o valor dos produtos ainda não foi divulgado.

SAC Mundial Impala – 0800-5412595

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Semana Internacional do Livro 2012


Notícia amanhecida, essa é a Semana Internacional do Livro, qual a novidade? Nenhuma, mas em tempos de mundo globalizado e pessoas conectadas full time, seria bem interessante fazer dessa semana algo interativo.

Oficialmente a Semana Internacional do Livro é de 24 a 29 de setembro, pouco tempo para algo tão importante, sem o qual não alcançaríamos o conhecimento que temos hoje.

É bom lembrar que na Inquisição livros foram censurados e queimados, o mesmo aconteceu no Holocausto, quando Hitler impôs sua ideologia, nos países islâmicos ainda muitas obras são proibidas, enfim, a censura ainda impera.

Circula pela internet um desafio, algo do tipo pegue o livro mais próximo e abra na página tal e copie na sua rede social a quinta frase, sem mencionar a obra e o autor, muita gente está aderindo, isso é muito legal.

Então aqui vou propor algo semelhante, mas com uma pitada de pessoalidade, conto com sua participação.

Pegue o livro que estiver ao seu alcance ou aquele que você está lendo agora, ou ainda o que mais goste e abra na página 77 (simplesmente porque gosto do número 7) e copie uma frase ou um parágrafo dessa página, simples assim, conclua mencionando a obra e o autor.

Aqui no blog você pode fazer isso no espaço de “Comentários” ou no Facebook no espaço “Comentar” e propague a ideia durante essa semana, colando no seu mural as regras e o trecho escolhido.

Não seja preguiçoso, a leitura é uma forma de conhecer lugares, pessoas, fatos, etc.

Como o melhor exemplo é a atitude, vamos ao meu trecho:

Mas no momento exato em que Fingolfin falava, Fëanor entrou no salão, e estava totalmente armado: com o elmo na cabeça e uma poderosa espada de lado. – Quer dizer que é mesmo como imaginei – disse ele. – Meu meio-irmão prefere estar antes de mim com meu pai neste assunto, como em qualquer outro. – Voltando-se então contra Fingolfin, ele sacou a espada e gritou: - Vai embora, e ocupa teu devido lugar!”  O Silmarillion, JRR Tolkien (4ª edição).

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Mulheres Infelizes


Fico impressionada com algumas coisas que vejo por aí, em tempos de mulherada independente, dona do próprio nariz, é inconcebível a dependência que muitas criam com relação aos namorados ou namoridos.

Passar por toda uma revolução feminista, superar o machismo clássico, concorrer por um lugar no mercado de trabalho, muitas vezes ganhando salários menores, conquistar a independência financeira, morar sozinha, etc e tal faz todo o sentido no mundo em que vivemos.

O que não faz sentido é a imaturidade emocional que faz de muitas mulheres, nas mais diferentes idades, serem reféns emocionais de homens.

Refém emocional é uma expressão complexa, não se trata apenas daquela dependência nos moldes clássicos, mas também é viver à espera de uma elogio que nunca vem, de uma expectativa que nunca será atingida, de engolir desejos, de ceder sempre, etc.

Vamos combinar que não deve ser por causa de sexo, para isso não se precisa mais de homem, há formas mais fáceis e baratas de ter prazer sexual.

Por motivos financeiros também duvido que seja, hoje as mulheres podem mais que os homens, em muitos casos são mais poderosas, ganham mais, etc.

Para ter um homem para chamar de seu? Recuso-me a acreditar nisso, é pobre ao extremo.

Para ter companhia? Mas homens que dominam normalmente não se prestam ao papel de companheiro.

Para bebericar juntos? Outra vez voltamos ao ponto de companhia.

Então qual será o motivo?

Não consigo entender, mas antes que me perguntem, entender não mudaria minha vida, mas certamente me ajudaria a mudar a vida de muitas mulheres que conheço, ou ao menos propagar o remédio faria com que menos sofressem dessa doença.

A psicologia deve saber explicar isso em detalhes, mas o pior é que na grande maioria das vezes as mulheres não aceitam buscar ajuda, adaptam-se ao ciclo vicioso e não sabem viver de forma diferente.

As vezes fico pensando, o problema deve ser o cara, mas não é, porque muda o namorido e o problema persiste, só muda a qualificação do sujeito.

Concordo que essa dependência não é uma exclusividade feminina, conheço homens que também criam uma dependência doentia das suas mulheres, mas são em quantidade infinitamente menores.

Também não é uma questão de nível sócio-econômico, assola pobres, ricas, remediadas, ou seja, a todas.

Será que é tão difícil assim ser você mesma, manter seus valores morais e éticos, não criar a dependência, o amor doentio, a relação desequilibrada, construir laços de amor e respeito não é fácil, mas é muito mais saudável à relação, sem falar na sanidade preservada.

Mulheres dependentes perdem sua identidade, pagam mico constantemente e não se incomodam com isso, perdem o amor próprio, deixam de viver a sua vida para viver a do outro, são infelizes, não têm brilho no olhar.

Se o cara for do tipo que gosta de uma mãezona, tudo bem, vai usar e abusar da situação, mas se for do que se sente sufocado, vai fugir dessa criatura, se for do tipo acomodado, vai sempre aguentar as coisas para não fugir da sua área de conforto, mas vai rolar um stress de vez em quando.

Fato é que não me agrada nada ver pessoas queridas serem consumidas pela dependência, como um vício que toma conta da sua vida, te faz vender os cacarecos da tia velha para comprar a droga que te consola.

Também é fato que não se pode invadir a privacidade e vida da criatura, sei respeitar as escolhas dos outros, aceito, mas me reservo ao direito de sempre que possível mostrar que a vida não é assim, as vezes avanço nesse terreno sombrio e ganho um espaço, mas nem sempre o suficiente.

Uma amiga querida me disse outro dia que sou muito diferente na forma de pensar e ser, concordo em partes, porque vejo que não sou a única a ser assim, posso ser a minoria.

Ser feliz é simples, pode não ser fácil, mas é muito simples, pelo menos para mim.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Tendências Verão 2012/2013


Acompanhando as últimas tendências para o Verão fica fácil perceber que tudo pode, isso em uma linguagem curta e grossa, porque é tendência tom pastel, também conhecido como candy color, cores clarinhas que dão um toque de leveza ao visual.


Também é tendência as cores neon, ou flúor, ou cores cheguei, acendendo o visual, deixando aquela marca de cor e estilo por onde a pessoa passa.
 
As estampas étnicas estão por toda parte, desde acessórios até roupas e peças de decoração de casa, dando um ar bem democrático aos simples mortais.
 
 

 
 
Animals prints também são tendências fortes para a estação, então nada de guardar aquela sandália de cobra, cintinho de zebra, lencinho de onça, mas é preciso ter muito estilo e bom senso para usar.
 
Pegada minimalista ou over convivem bem nesse universo de tendências para um único Verão, não é muita coisa? Acho que não, é mais uma questão de ter tendência para cada grupo de gosto, assim gregos e troianos ficam felizes.

É ou não é um pode tudo?! Basta escolher o que mais combina com seu estilo e momento e usar.

Agora vamos combinar, para que tantos editoriais, campanhas, desfiles, etc e tal para no fim das contas poder tudo?! Adoro perguntar e responder...para girar a roda da fortuna do mundo da moda.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Bicicleta Para Ricos e Para Pobres


“Bicicleta deixou de ser veículo de pobre e se tornou o meio de transporte de pessoas com maior poder aquisitivo" foi o que disse o presidente da Caloi recentemente, segundo reportagem de Juliana Ribeiro, para Brasil Econômico, de 11/09/12 publicada no portal do IG.

Fiquei conversando com meus botões sobre essa afirmação e me bateu aquela curiosidade óbvia sobre como surgiu a bicicleta. Pesquisando e puxando pela memória descobri algumas coisas.

Leonardo da Vinci, no século XV, já havia feito alguns esboços e projetos do que viria a ser uma bicicleta tal qual a temos nos dias de hoje, mas eles não foram executados.

Muito embora a bicicleta tenha surgido em Paris/França em 1818, apenas em 1855 o francês Pierre Michaux instalou pedais, mas em um modelo mais para velocípede do que para bicicleta, já que tinha duas rodas traseiras e uma dianteira, mas estava aí o que se considera a primeira bicicleta moderna.

De lá para cá muita coisa aconteceu e as “magrelas” como as chamávamos na minha infância se desenvolveram muito e parece que viraram objeto de desejo.

Não sei se concordo com a afirmação inicial, mas de fato a bicicleta cresceu em importância e status, elevando os preços e elevando seu uso a meio de transporte alternativo.

Já falamos das bicicletas de luxo aqui, para quem quiser rever o post, clique aqui. Essas definitivamente não são para os menos abastados.

Ainda acho muito complicado adotar a magrela como meio de transporte, é viável apenas para curtas distâncias, com terreno não muito sujeito a subidas, morros e ladeiras e, ainda por cima, não é respeitada no trânsito caótico das cidades brasileiras.

Nas cidades do Nordeste os animais como burricos, jegues e outros foram gradativamente substituídos pelas motos. Os animais foram abandonados à própria sorte e o problema no trânsito só fez crescer. Sem contar no problema de saúde pública gerado pelos acidentes constantes.

Imaginem nas grandes cidades como será o convívio entre ciclistas, motociclistas, motoristas de carros, ônibus e caminhões, quem arrisca um palpite? 

Concordo que com o crescimento da renda e desenvolvimento do Brasil o número de pessoas que passaram a ter acesso ao consumo e a consumir mais aumentou muito, fato que as empresas devem aproveitar.

É cada vez mais comum nos depararmos nos fins de semana com grupos de ciclistas pedalando por aí, todos equipados, criando mais do que um hábito saudável, um ciclista fashion.

Fico só olhando e pensando quantos deles compraram tudo aquilo porque de fato curtem a prática esportiva, mesmo que de forma amadora, ou simplesmente para mostrar status.

Não devo ser a única criatura que pensa isso, tanto assim que a indústria de bicicletas percebeu a mudança no perfil do consumidor e trouxe ao mercado novidades com maior valor agregado e, lógico, preço.

Até gringo quer entrar no mercado emergentíssimo brasileiro e curtir uma onda com os consumistas de plantão. Estão certos, se tem público, tem que ter produto!!!

A Caloi anunciou que deixou de produzir o que foi por anos seu carro chefe de produção, o modelo Barra Forte, bicicleta de cunho popular, passando a produzir um modelo dobrável chamado de Caloi Urbe, mais adequado ao novo perfil de consumo.

Gostaria muito de poder adotar a magrela como meio de transporte alternativo e viável, mas é praticamente impossível, uma pena, quem sabe um dia isso mude.

Enquanto isso vamos acompanhar o crescimento do setor e as novidades que desembarcam por aqui.