terça-feira, 20 de março de 2012

Viver e Não Ter Vergonha Nem Culpa de Ser Feliz

Não tenho como negar que uma das minhas preocupações é com o avançar da idade tanto dos meus familiares, quanto de amigos e o meu próprio.

Com a idade normalmente vem alguns problemas adicionais de saúde, de disposição física e mental e coisas do tipo.

É fácil perceber que cada pessoa encara a velhice de uma forma, os que me preocupam mais são os que se encasulam em casa, vivendo em um mundinho paralelo, alimentando a solidão e a depressão.

Fácil é falar sobre as várias formas de superar esse problema, mas difícil é colocar em prática tudo isso.

Assisti minha avó amargurar-se após a morte do meu avô, ela simplesmente nunca aceitou perder seu amor e viver só, fechou-se em amarguras e sua vida sucumbiu diante de todos, mesmo diante dos que, como eu, tentaram fazer com que ela visse o lado bom de continuar a viver.

Pessoas ativas física e mentalmente as vezes são as que mais nos surpreendem negativamente, de repente, por um mecanismo qualquer, se veem em apuros, deprimidas e não conseguem reverter o quadro mesmo com o uso de medicamentos.

A vontade e a disposição em querer superar são essenciais, o que percebo é que muita gente não se esforça em resolver seus problemas, suas mágoas e amarguras porque assim perderiam a desculpa por não serem felizes.

É aquela velha história de não querer largar a muleta emocional, continuando a alimentar os problemas e esperar apenas que o outro mude.

Cada um é responsável pelas escolhas que faz, somos resultado de nossas escolhas, não adianta querer transferir a responsabilidade para ninguém.

Alguns buscam na religião o conforto por uma perda ou uma doença, o que é muito saudável, a fé ajuda sim a remover montanhas, mas é preciso cuidado para não bitolar e não se transformar em fundamentalista religioso, daqueles que as pessoas fogem no café, nas festas, etc.

A fé é essencial para uma vida equilibrada, mas não adianta querer converter o mundo e muito menos ser aquela criatura que posta nas redes sociais tudo que é de religião, a pessoa acaba sendo a mais nova chata de plantão.

Os extremos nunca são bons, o segredo está justamente em encontrar o equilíbrio salutar e continuar vivendo e acreditando que dias melhores virão.

Não sei o que o futuro me reserva, também não tenho a intenção de saber, quero esperar para ver, mas vou fazendo a minha parte e aprendendo com os outros como não quero ser e estar.

Com um pouco de sorte e determinação, quem sabe não serei consumida pela depressão, pelo alemão e conseguirei manter uma vida saudável e útil por bastante tempo.

Mas lembre-se, cada um é responsável por suas próprias escolhas, então seja consciente agora para não colher os resultados negativos no futuro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!!