terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Níver das Cataratas do Iguaçu

Não posso deixar de comentar sobre a data de 31/01, quando as Cataratas do Iguaçu foram descobertas por Alvar Núñez Cabeza de Vaca, no ano de 1542, quando navegava em sua canoa pelo rio, tentando descobrir uma nova rota para alcançar a capital do Paraguai, Assunção.



Eleita em 2011 como uma das 7 Novas Maravilhas da Natureza por mérito, é um lugar que deve obrigatoriamente ser visitado e preservado.

Em homenagem à data de sua descoberta, o Google lançou em seu site o doodle abaixo:



Recentemente estive visitando as Cataratas do Iguaçu, tanto do lado brasileiro, quanto do argentino, realmente vale muito a pena conhecer essa maravilha, com seu volume esplendoroso de água, muitos arco-íris, vegetação abundante, fauna idem.

Um Mimo de Sapato

No intuito de dar uma espairecida na caixola, zapeando na internet encontrei esse lindo modelo de sapato desenvolvido pela designer Sarah Schofield para a Dior.




Não é uma novidade, já que é de 2010, fruto da passagem da designer pelo Institut Française de La Mode, em Paris, onde Sarah cursou pós-graduação em designer de acessórios.

Se quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho da designer no mundo da moda, visite seu site e descubra um universo de possibilidades.

Voltando ao sapato, ele é um luxo, objeto do desejo, talvez, mas lindo de matar! Um mimo que eu adoraria ter.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Discriminação: Quem Discriminou Quem?

Bombou nas redes sociais a polêmica envolvendo o cartunista e humorista Laerte, que na última terça-feira foi convidado por um dos donos do estabelecimento a usar o banheiro masculino em sua pizzaria, em São Paulo, tão logo uma cliente com sua filha de 10 anos o encontraram no banheiro feminino.

Laerte é uma figura engraçada por si só, talentoso e espirituoso, entre tantas outras qualidades, veste-se de mulher há 3 anos, adotando, segundo ele, o crossdressing, até se consolidar como travesti.

Muito embora não seja tão fácil assim entender o que leva um homem em idade madura a adotar vestimentas femininas e muito menos o fato de “se consolidar como travesti”, fato é que ninguém tem nada a ver com a opção sexual dele.

Mas daí a encarar com a mesma naturalidade a condição que ele se auto denomina de ter dupla cidadania, referindo muito bem humoradamente ao fato de ser homem e mulher ou qualquer coisa do tipo, há uma diferença muitas vezes intransponível.

Fato é que exceto nos casos de hermafroditismo, as pessoas não mudam de sexo, um homem operado para excluir seu pênis não se transforma em uma mulher apenas por isso, será um homem amputado que se sente como uma mulher, ponto.

Travestis, transexuais e demais nomenclaturas adotadas para a tentativa visual da mudança de gênero do masculino para o feminino devem ser respeitadas, outro fato.

Assim como devem ser igualmente respeitados os direitos dos cidadãos que aceitam com naturalidade a definição de seu gênero, conforme o manual do fabricante, para mantermos o bom humor.

Com essa moda do politicamente correto, as pessoas ficam reféns da opinião pública e da repercussão de assuntos corriqueiros que se transformam em polêmicas, com o intuito de atender ao interesse de pessoas e grupos.

Mas vamos por partes, é muito cômodo para o Laerte se dizer com dupla cidadania, ou seja, dependendo do estado de espírito, de ânimo, etc e tal ele se comporta como homem ou mulher.

Não que me incomode o fato em si, mas o conceito sim, se daí decorre sua decisão de escolha de usar o banheiro feminino ou masculino, por exemplo.

Se não há nem mesmo a mudança de sexo em si, por ser uma criação do ser humano, quem dirá a mudança de gênero coforme o humor.

Essa semana ele se sentiu discriminado porque queria usar o banheiro feminino e foi convidado a usar o masculino, semana que vem ele se sentirá discriminado quando estiver usando o banheiro masculino, fazendo seu pipi de pé no mictório ou na cabine e for convidado a usar o banheiro masculino, já que se veste de mulher!

O direito de um termina onde exatamente começa o direito do outro, independente do humor e do estado de espírito de cada um!

Não vou entrar no mérito sobre qual banheiro devem usar os homossexuais, bissexuais ou transgêneros, para ficarmos nos exatos termos prescritos na Lei Estadual (SP) 10.948/01.

A Lei basicamente dispõe sobre as penalidades a serem aplicadas à prática de discriminação em razão de orientação sexual, trazendo em seu texto o seguinte:

“Será punida, nos termos desta lei, toda manifestação atentatória ou discriminatória praticada contra cidadão homossexual, bissexual ou transgênero.”

Em minha modesta opinião, o ponto que caracteriza a aplicação da penalidade é a ocorrência de manifestação atentatória ou discriminatória praticada contra o cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, mas convidar um homem, figura pública e notoriamente conhecida por se vestir de mulher a usar o banheiro masculino ao invés do feminino é manifestação atentatória ou discriminatória contra ele?

Se entendermos que sim, a contrário senso, a cliente com sua filha de 10 anos que estava no banheiro feminino e reclamou ao dono do estabelecimento pelo fato de Laerte estar usando aquele banheiro, também teve contra ela praticada uma manifestação atentatória e discriminatória.

Ah, não venha me dizer que a Lei é específica para homossexual, bissexual ou transgênero, não alcançando quem aceita seu gênero original!!!!!

Será que precisaremos definir em lei o direito dos homens e mulheres assim definidos em seus gêneros originais?

Chegaremos em breve a um tempo em que as minorias serão absolutas em seus direitos, desrespeitando frontalmente o direito não positivado das maiorias.

Homofobia deve ser sim crime, mas heterofobia também. Se eu tenho que respeitar o direito de opção sexual do outro, ele também tem que respeitar o meu, é básico, é legítimo, é moral, é ético e é justo, independente de como se compõe a cadeia de juízo de valor de cada um.

Agora o fim da picada foi o fato da coordenadora estadual de políticas para a diversidade sexual do Estado de SP ter ligado para Laerte para avisá-lo de que ele pode reivindicar seus direitos contra o estabelecimento que infringiu a Lei 10.948/01.

Se ela entende que houve infringência da Lei, ótimo, respeito sua opinião, mas discordo, primeiro porque a Lei trata de penalidades a serem aplicadas à prática de discriminação em razão de orientação sexual e por enquanto não tenho notícias de que o estabelecimento não cumpriu a penalidade, mesmo porque não houve ainda sua aplicação.

Segundo, será que ela liga para todos os demais que se sentem igualmente discriminados em razão de sua orientação sexual ou apenas para as figuras públicas que sabem muito bem manipular as ferramentas de comunicação e virar notícia?

Se a resposta é não, ela só ligou porque foi o Laerte, então ela, ou melhor, o Estado de São Paulo praticou ato/manifestação discriminatória, mas não em razão da orientação sexual, mas sim em razão do status, da desigualdade de tratamento entre os iguais.

Isso por si só me parece ser muito mais grave do que a polêmica em si, principalmente se considerarmos o fato de que ela é a personificação do Estado de São Paulo nesse episódio.

Agora vamos combinar que se eu desse de cara com o Laerte no banheiro feminino, é lógico, ia me divertir muito com a oportunidade, quem sabe até pedir para ver o “objeto” da questão, saber se de fato vale a pena discriminá-lo ou se é inofensivo.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

É a Vida...


As vezes fico pensando que não tenho inspiração ou assunto para escrever, parece que ao acompanhar os noticiários é sempre mais do mesmo, seria apenas mais uma pessoa comentando o que já foi exaustivamente comentado, efeitos do mundo globalizado e da informação em tempo real.

Por outro lado, cada um tem uma percepção sobre os fatos, isso faz toda a diferença, pelo menos assim espero.

 
Vi coisas interessantes esses dias, achei fantástica a pesquisa sobre a invisibilidade pública, se você não viu circulando nas redes sociais a história de um estudante da USP que se infiltrou entre os garis da USP para pesquisar o tema de sua tese, dê uma zapeada e veja, fato é que muitas pessoas são invisíveis aos nossos olhos no dia-a-dia, não adianta dizer que não.

Quantas pessoas você vê diariamente, mas não nota a sua presença, não percebe e muito menos reconhece a importância da atividade desempenhada pelo sujeito, pode acreditar que são muitas pessoas. Os mais comuns nessa lista são os prestadores de serviços gerais, como limpeza, jardinagem, estacionamento, manobrista, porteiros, entre tantos outros.

 
Não são pessoas de segunda categoria, isso não existe, é puro preconceito social, são pessoas como eu e você, que desempenham funções essenciais, as quais muitos não querem fazer, mas não vivem sem.

Fui educada à moda antiga, na minha família fomos ensinados que devemos tratar todos da mesma forma, do porteiro ao presidente da empresa e levo isso comigo, mas não sou hipócrita em dizer que por isso sou melhor do que ninguém, apenas chamo a atenção para a reflexão sobre o tema.

Mudando o rumo dessa prosa, brasileiro nunca esteve tão na moda quanto nos últimos anos, provando que o mundo de fato é redondo e dá muitas voltas. Estamos em alta, sendo objeto de desejo dos norte-americanos, que anunciam o estudo de flexibilizar as regras rígidas para a obtenção de vistos para os EUA.

Até Hillary Clinton deu o ar da sua graça para bater papo com estudantes adolescentes brasileiros em intercâmbio em terras de Tio Sam, ressaltando a importância do estreitamento dos laços entre os dois países e informando que o mercado turístico busca profissionais de língua portuguesa.

Vamos combinar que não saímos da segunda categoria de pessoas para sermos os queridinhos da América à toa, lógico que não, é uma questão financeira que produz o efeito dos the best one reverem seus preconceitos sociais contra os cucarachos brasileiros, porque eles nos desejam, mas continuam não sabendo o nome da capital do Brasil.

Brasileiro tá se achando, invade os templos de consumo com muito dinheiro no bolso, disposto a combater implacavelmente a demanda reprimida por tantos anos de moeda, fraca, recessão, inflação, etc e tal. A pujança de gastos extrapola o US$, invadindo a UE, gastando horrores mesmo em Euro, esquecendo-se de que o mundo é redondo e vai dar novas voltas...

Outra muito interessante, a Ford anunciou a redução dos preços do New Fiesta, imagino como o consumidor que comprou o carro recentemente, pagando preço exorbitante deve estar feliz com essa redução anunciada.

Lamento meu caro consumidor, mas não tenho compaixão de você, brasileiro vive de reclamar que os preços de carros no Brasil são abusivos, que em relação aos EUA os preços são absurdos, que esse país é isso e aquilo, mas sejamos honestos, você conhece alguém que deixou de comprar o carro que queria porque é caro?

Pode até ser que compre outro modelo, mas não deixa de comprar o carro zero, mesmo que não precise e a pergunta que não quer calar: por quê? Ah, tipo assim, o crédito está facilitado, financiamento nunca foi tão fácil, a oferta de marcas e modelos está abundante, cai bem um carrinho zero na garagem, todo mundo gosta de andar de carro zero....

Já entendi, tá caro e vai continuar caro porque a demanda não irá cair. O consumidor brasileiro não é o dos mais espertos, não sabe usar a seu favor aquela regrinha básica de oferta e procura, então vai continuar pagando caro ou que se mude para os EUA, aproveita que brasileiro tá podendo e vai ser cucaracho por lá com um Camaro na garagem e muitas hipotecas, de repente você sentirá na pele os efeitos da tese da invisibilidade pública!!!

Que tal fazer boicote, nada de comprar carro, porque compartilhar nas redes sociais campanha de boicote ao BBB 12 todo mundo gosta, mas na hora do vamos ver neguinho não tem coragem de fazer o que é certo, todo mundo quer manter o status do desenvolvimento econômico bateu na minha porta.

Nova guinada de assunto, ontem a cidade de São Paulo completou 458 anos, um feriadinho no meio da semana sempre cai muito bem, mesmo que já se saiba de antemão que o trânsito antes e depois dele será daqueles. A programação comemorativa vai se estender até o fim de semana, tem muita coisa boa ainda por acontecer, muitos agitos baladeiros, gastronômicos, culturais, agradando gregos e troianos.

Minha sugestão para quem está a fim de sair da rotina, vá visitar a cidade que nunca dorme, mas chegue cedo para aproveitar ao máximo, uma passada rápida no Mercadão Municipal, com direito a pastel de bacalhau ou lanche de mortadela, faça uma comprinha básica na 25 de Março, visite o MASP, que está com uma excelente programação de exposições não apenas do acervo permanente, almoce em um restaurante bacana, opções não faltam do cardápio árabe ao italiano, passando pelo grego e oriental, vá caminhar no Ibirapuera ou visitar o Museu do Futebol no Pacaembu, é diversão garantida e se ainda tiver disposição, encerre a jornada com um teatro, as opções também são muito boas, ah, sempre tem espacinho para um jantar, mas não exagere!!!!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Amo os Ogros

Hoje li o excelente texto, como sempre, do Xico Sá na Folha On Line, não deixem de ler, vale a pena e me chamou muito a atenção por vários motivos diferentes.

Primeiro que não concordo com ele que “sexo sem pelo não é sexo”, pode não ser tão agradável para uns e muito mais agradável para outros, ou vice e versa, mas continua sendo sexo.

Lógico que entendo perfeitamente os argumentos do macho-jurubeba, para ficar na linguagem do Xico Sá, inclusive acho que faz muito sentido frente a essa mania de metrossexual que parece ser um caminho sem volta. Mas me reservo ao direito de discordar.

Também não concordo que seja mais um modismo de mundo limpinho a decretar o fim dos pelos via depilação definitiva ou não. A depilação de um modo geral sempre foi um hábito entre as brasileiras, que até exportaram aos EUA seu método, fazendo a riqueza de muitas por terras de Tio Sam.

Agora a depilação pubiana total não sei se chega a ser um modismo, acho inclusive que os homens, principalmente os machos-jurubeba são os principais responsáveis por esse hábito adquirido de muitas mulheres.

Explico, não é fácil ser depilada periodicamente, ainda mais totalmente, depilação é quase um método de tortura ao qual as mulheres recorrem para aumentar o tempo sem a presença dos tão chatos pelos. Não é por prazer, é por necessidade, seja de fazer um agradinho ao amado com o fetiche da área de lazer peladinha ou de manter a área genital em melhores condições de “respiração”, evitando problemas que os machos não enfrentam, mas as mulheres conhecem bem!!!

Inventaram a tara e agora que aguentem o tranco!

A moda e o desenvolvimento tecnológico nos apresentaram muitas opções de tecidos e roupas, mas que não são mais as mesmas do tempo de nossas avós, que usavam tecido 100% algodão. A facilidade em ter roupas que não amassam tanto, que são fáceis de secar e de guardar tem um preço alto, os sintéticos não ajudam na eliminação da transpiração, provocando muito desconforto, principalmente para as suas principais usuárias, as mulheres.

Fica fácil entender porque cada vez mais mulheres aderem à depilação total, é uma questão de conforto, higiene e bem estar, além, lógico, de ainda alimentar a tara do macho-jurubeba.

A vida compartilhada exige consenso, então sejamos honestas, nada melhor do que estabelecer um acordo de vontades no início da relação, facilitando as coisas para os dois lados, prevendo as regras, as exceções, as condições, etc e tal, parece chato e trabalhoso, mas é muito mais fácil e prático do que se imagina.

Concordo com Xico quanto a essa onda metrossexual que invade o mundo, é praticamente impossível distinguir de prima se o sujeito é homem metrossexual ou homossexual, nisso os machos-jurubeba, a quem costume carinhosamente chamar de ogros, estão em vantagem sempre, ninguém os confunde, certeza total.

Já presenciei em salão de depilação metrossexual se submeter à depilação total do tórax, costas e braços, coitado, o moço sofreu horrores e ainda teve que manter a cara de macho duro na queda diante da curiosidade da mulherada, que o aguardava na recepção.

A masculinidade pode sim ser associada aos pelos no corpo, mas nem por isso se faz obrigatória a sua manutenção, cada um é que sabe de si e dos seus pelos, sejamos menos radicais e mais tolerantes.

Agora vamos combinar que nem homens nem mulheres gostam daquela selva amazônica pubiana que alguns insistem em desfilar por aí, equilíbrio é a palavra de ordem, coisa que a humanidade não está acostumada ainda.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

As Boas Para o Fim de Semana


Sexta-feira com o sol querendo dar o ar da sua graça é sempre bom, ainda mais depois de tanta chuva e trovoada dos últimos dias.

Para aquecer o fim de semana, seguem algumas dicas de quitutes e rangos para serem degustados junto com a galera.

Para começar bem o fim de semana que tal fechar a sexta com uma cerveja bem gelada e aquela deliciosa coxinha e lanchinho de mortadela do Skinão, no distrito de Sousas, sucesso garantido, principalmente se o fim de dia estiver sem chuva, é só pegar uma mesa na varanda e curtir a noite chegar.

Um passeio bem legal e diferente é dar um rolê pelo mercadinho da rua Barão de Jaguara no sábado pela manhã, tem um pastel maravilhoso logo na entrada pela Barão, massa fresquinha, crocante e recheio farto.

Depois é claro um chopp escuro no Nosso Bar, bater um papo com Seu Arlindo da banquinha da frente. Pronto sua manhã de sábado está mais alegre e pronta para continuar o passeio pelo centro da cidade.

Se ainda tiver um espacinho na pança, desça até o Voga e saboreie aquele pastel de bacalhau imbatível, seja forte, não é muito pastel não, se preferir vá de croquete, é muito bom também.

Caminhe até o Centro de Convivência e passeie na feirinha, tem muita coisa legal por lá, artesanato de primeira e um clima super gostoso. Assim você gasta um pouco das calorias ingeridas e se prepara para a próxima iguaria mais próxima, o bolinho de bacalhau do City Bar, irresistível.

Se der sorte consegue uma mesinha para apreciar o bolinho com mais uma cervejinha gelada e um bom papo, não tem preço um sabadão desse!!!

Bom depois de tudo isso não sei se vai ter espaço para o almoço, se tiver vá almoçar no Facca Bar, ali na rua Conceição, até chegar lá você faz mais uma caminhadinha, preparando o apetite para o almoço.

Acho que agora só um cochilo para restaurar as forças e carregar as baterias, afinal de contas o roteiro gastronômico foi pesado.

Refeito e pleno para a próxima, que tal um jantar mais leve, com uma sopinha? A dica é ir na Romana e aproveitar o cardápio de sopas e pães, uma delícia, mas se a noite estiver quente, com aquele céu estrelado, acho pouco provável que vá querer encarar sopa, então a dica é ir até Indaiatuba no Pezão, restaurante de primeira, com gente bonita, petiscos e comidas de dar água na boca, você vai amar.

Recomendo que prove as iscas de peixe e a caipirinha de saquê, show de bola, se quiser encarar jantar mesmo, mergulhe no cardápio sem medo de ser feliz, a traíra sem espenhos é maravilhosa, mas é bom que alguém não beba para encarar a pilotagem do carro na volta.

Domingo maravilhoso te espera, depois desse roteiro gastronômico, vá andar de bicicleta ou a pé mesmo no Taquaral ou no distrito de Joaquim Egídio, gente bonita, de bem com a vida, paisagem legal, tudo para te incentivar a praticar um esportinho e se preparar para a próxima etapa de comilança!!!

Se estiver em Joaquim, na ida ou na volta pode tomar um café bem gostoso, com frutas, sucos e pães na padaria Ricco Pane em Sousas, mas não coma muito, lembre-se que ainda terá muita atividade pela frente. 

Se ainda estiver nos distritos, sugiro para o almoço comer um peixinho no capricho feito pela Diva lá no Peixe com Banana, na Rua Dos Expedicionários, 1.022, o Roberto desenvolveu um croquete de tucunaré que não tem para ninguém, com uma caipirinha e uma cervejinha faz um sucesso danado, sem contar que tem aquelas maravilhas de peixes da Amazônia, não vai perder essa.

Mas se estiver no Taquaral, que tal pegar o carro e ir até o Bar da Praia em Jaguariúna, ambiente gostoso, gente bonita, muitos motoqueiros, além do passeio maneiro e da comida boa que a casa oferece.

Bom, a comilança foi grande, uma soneca no fim do dia seria perfeito para encerrar o domingo, mas ainda tem tanta coisa a ser feita, enfim, acho que é melhor descansar, dar uma folga para o amigo fígado, porque semana que vem tem mais fim de semana com mais delícias nos esperando.

Mas até que não seria uma má ideia encarar um cineminha a noite no domingo, se der aquela fominha depois, para fechar com chave de ouro, uma pizza com muito queijo é a sugestão.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Oh My Dog

Se você gosta de cães e de arte não pode perder o lançamento do calendário 2012 Oh My Dog, que acontece hoje, dia 19, às 17h na loja 11.16, que fica na Rua Emílio Ribas, 1.058.

Antes que você pergunte o que tem demais o lançamento de um calendário que não seja o da Pirelli, vou explicando...além de belas fotos, os modelos são cães abandonados e/ou vítima de maus tratos.

A iniciativa foi das irmãs Luiza e Letícia Testa, que uniram esforços com Regina Valverde do GAVAA a fim de sensibilizarem as pessoas pela necessidade de adoção desses animais abandonados.

As fotos foram feitas unicamente com animais disponíveis para a adoção, com muito bom gosto e sensibilidade, participaram voluntariamente do projeto 12 fotógrafos de Campinas. O material será lançado hoje na loja 11.16, abrace essa causa, compre os calendários para você e para presentear amigos e mais que isso, adote um animal abandonado.

Se você não puder adotar um animal, colabore com o GAVAA sendo sócio ou via o apadrinhamento on line, entre no site e contribua, a sua ajuda é muito importante.

* Foto divulgação editada por Crônicas Clara

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Mini no Tamanho e Gigante no Dakar

Por falta de tempo ainda não escrevi sobre o resultado final da classificação dos carros no Rally Dakar 2012, mas já que estou aqui, vamos lá, vejam como ficou o pódio:
  1. Stéphane Peterhansel/Jean-Paul Cottret (França) – Mini Cooper – tempo de 38h 54 min 46 s
  2. Nani Roma (Espanha)/Michel Périn (França) – Mini Cooper – tempo de 39h 36 min 42 s
  3. Giniel De Villiers (África do Sul)/Dirk Von Zitzewitz (Alemanha) – Toyota – tempo de 40h 08 min 11s
  4. Leonid Novitskiy (Russia)/Andreas Schulz (Alemanha) – Mini Cooper – tempo de 41h 06 min 40 s
  5. Robby Gordon/Johnny Campbell (EUA) – Hummer – tempo de 41h 11 min 39s
Lindo para os Mini, que deram um show com 3 carros no pódio entre os 5 primeiros colocados.

Interessante pensar na batalha travada entre um carro de origem inglesa, adquirido por uma marca alemã, levando as primeiras duas colocações com pilotos franceses, para quem gosta de História o assunto renderia um tratado, mas vamos ao que interessa, o principal oponente foi o Hummer norte americano, que não rendeu assim...o esperado.




Rolaram muitas picuinhas e encrencas entre os pilotos do Mini e do Hummer, tipo o Robby Gordon dizer que Mini é carro de mulherzinha e coisas do tipo, mas como competição e prática esportiva o evento deu show, com alguns pesares.

Não ficou nada bonito o totó que o Peterhansel deu em um colega motociclista durante a travessia de um rio, afinal de contas, além de antiesportivo, Peterhansel também é piloto de moto, inclusive vencedor do Dakar nos anos de 1991,92, 93, 95, 97 e 98, lamentável!

Pior ainda foi a atitude de seu compatriota francês Despres, vencedor da categoria moto, o cara simplesmente atolou na etapa de Antofagosta e após ser ajudado pelo piloto também de motos Paulo Gonçalves, deu linha e deixou o português no atoleiro sem a menor cerimônia, mostrando que espírito esportista não é com ele e ponto.

Despres ganhou, levou o prêmio, mas está sendo duramente criticado pela sua postura antiesportista para ficarmos no mínimo, já recebeu o apelido de Dick Vigarista, agora não tem jeito.

Voltando ao assunto, a batalha travada entre os Mini e os Hummer foi fantástica e deixou todos os amantes pela competição e por carros extasiados, trocas de farpas, muitas piadinhas e uma boa competição, quem ganha é o público e lógico, os patrocinadores.

Fica como canja o vídeo do duelo entre Mini e Hummer:


* Fotos e vídeo Facebbok oficial do Rally Dakar 

 

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Irã Proíbe Venda de Boneca Barbie


A polícia da moralidade do Irã proibiu a venda de bonecas Barbies no país, sob o argumento de que as mesmas representam a cultura ocidental perniciosa aos valores morais islâmicos, pelo menos é o que informaram os proprietários de lojas de brinquedos no Irã.

Como dito no post de ontem, não importa a localização geográfica e o idioma, as pessoas sempre buscam meios criativos de se comunicarem e burlarem a repressão, no Irã não seria diferente.
Os comerciantes que ainda possuem exemplares das "bonecas perniciosas" estão deixando-os na parte de trás das vitrines, a fim de não chamarem a atenção da polícia da moralidade, outros estão cobrindo as bonecas com tecidos, de forma que suas vestimentas fiquem em conformidade com as regras impostas.

Criatividade à parte, vários comerciantes tiveram as bonecas apreendidas, sofrendo as sanções e reprimendas do regime autoritário que vive o país.

Como a criatividade é uma via de duas mãos, em 2002 uma série de bonecas foram aprovadas oficialmente, na tentativa de conter a demanda pela Barbie, mas não teve sucesso, a versão oficial foi chamada de Sara e seu parceiro Dara, usando trajes tradicionais e alinhados com as regras do Islã.

Lógico que não teve aceitação do público infantil, mesmo em países de regime autoritário a informação circula, as crianças não querem a versão oficial, querem a original Barbie, com todos os seus acessórios.
O Irã, assim como outros países que vivem em regimes autoritários, tentam há muito tempo conter a invasão da informação e dos hábitos e costumes ocidentais, que segundo eles são perniciosos à cultura do seu povo.

Em tempos de informação em tempo real, globalização e internet essa será uma batalha inglória, cedo ou tarde a cultura massificada do ocidente ao estilo norte americano invade irremediavelmente esses países.
Não há como conter indeterminadamente a vontade das massas, vejam o exemplo político recente com a Primavera Árabe, por que as forças opressoras reprimam os movimentos e ações populares, a força popular é insuperável com o passar do tempo.

A Barbie é apenas mais um exemplo de moralidade e repressão aplicadas no Irã, parece até um gesto simbólico frente às sanções econômicas impostas recentemente ao Irã, mas são contra pequenas situações que a revolta popular acontece, quando menos se espera a movimentação foge ao controle.
Concordo que devemos respeitar a opção religiosa de cada um, inclusive aceitá-la mesmo discordando, mas é difícil entender a repressão sob a desculpa da religião, as pessoas mesmo movidas pela fé são seres pensantes e com discernimento, cedo ou tarde se rebelam contra a imposição religiosa, política e moral.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O Haiti É Aqui, Ou Quase Isso

Em 16/01/12 publicamos o texto abaixo sobre a imigração haitiana e como o problema apenas se agravou com o decurso do tempo, trazemos novamente o assunto.

Há algum tempo as manchetes das principais mídias trazem essa problemática, chegando ao extremo do governador do Acre na data de hoje, 09/04/13, decretar situação de emergência social para os município de Epitaciolândia e Brasiléia .

Esses municípios não têm condição de continuar recebendo o fluxo imigratório, é preciso que uma força tarefa entre em ação o mais rápido possível.

É muito fácil entrar no Brasil pelas fronteiras do Peru e Equador, criando não apenas rotas imigratórias do Haiti, mas também rotas de tráfico de pessoas e drogas vindas de outras partes do mundo.

Relembrando o texto de 16/01/12: O Haiti É Aqui...

"O Haiti é aqui, ou quase isso. A imprensa divulgou recentemente o aumento de haitianos que migraram para o Brasil, deixando para trás um cenário de assolação pós terremoto.

Se vão dois anos desde o terremoto que assolou o Haiti, muito se faz em termos de ajuda humanitária e ainda continua sendo feito, mas nesse caso o muito será sempre pouco.

O Haiti é a parte ocidental da ilha composta também pela República Dominicana, que sofreu com a colonização espanhola inicialmente, tendo sua população indígena dizimada em poucos anos.

Depois de aproximadamente 2 séculos de colonização espanhola, por meio do Tratado de Ryswick, Espanha cedeu à França a parte ocidental da ilha, que recebeu o nome de Saint Domingue, atual Haiti.

A base da economia de Saint Domingue foi o cultivo de cana de açúcar por escravos negros vindos da África. Com os ventos da Revolução Francesa, os escravos se rebelaram e muito sangue foi derramado até que em 1820 houve a unificação do sul e norte sob o governo já independente de Jean-Pierre Boyer.


Saint Domingue conquistou sua independência em 01/01/1804, passando a adotar o nome de Haiti, sendo a primeira república negra das Américas e o primeiro país independente da América latina.

Pode não parecer muito olhando de onde estamos, mas o percurso político percorrido pelo Haiti foi longo, sangrento e influenciou muitos países vizinhos.

Se quiser conhecer um pouco mais da rica história dessa ilha, de seu povo, religião, etc, fica a indicação da leitura do livro Ilha Sob o Mar, de Isabel Allende, uma excelente leitura.

Bom, mas voltando ao assunto, o Haiti viveu também a podridão da ditadura, quando em 1957 foi eleito o presidente “Papa Doc” Duvalier, instalando no país um rigoroso regime ditatorial, oprimindo opositores, inclusive a igreja católica.

Com a morte de Papa Doc em 1971, assumiu a presidência seu filho Baby Doc, dando continuidade ao regime ditatorial, até que em 1986, após os inúmeros protestos populares, ele fugiu para a França.

O Haiti passou a ser governado por uma junta chefiada pelo general Henri Namphy, em 1990 foi eleito o esquerdista Jean- Bertrand Aristide, mas não durou muito a democracia no país.

Um golpe militar depôs Aristide, reinstalando-se o regime ditatorial no país, que sofreu com as sanções econômicas da ONU.

Apenas em 1994 Aristide retorna à presidência do Haiti, mas os problemas não acabaram, a situação econômica do país, a insatisfação popular e o cenário mundial foram os motivos de Aristide abandonar o Haiti, refugiando-se na África desde fevereiro de 2004.

Historinha triste a do Haiti, que vive ainda hoje sob intervenção da ONU, sobrevivendo de ajuda humanitária, 60% da população está desempregada, o país não foi reconstruído após o terremoto de 2010 e a maioria da população sobrevive com apenas US$ 2,00 por dia.

Com esse cenário caótico fica fácil entender quais os motivos migratórios do Haiti.

O Brasil é um país em desenvolvimento, relativamente próximo do Haiti, que conquistou a simpatia do povo haitiano com a ajuda dada pelo exército durante tanto tempo em seu território, sendo a escolha certa de quem migra para buscar nova vida.

A corrente migratória do Haiti criou a figura do coiote, aquele carinha tão conhecido entre os Mexicanos e Cubanos que buscam entrar ilegalmente nos EUA.

Imagina só a cena de coiote para trazer haitiano para o Brasil?! Pois é, mas é um serviço caro, perigoso e violento, que vende a ilusão de uma vida nova e bem sucedida no Brasil.

Os abusos sofridos pelos haitianos que pagam pelos coiotes são inúmeros e alarmantes.

Os estados do Acre e do Amazonas são os principais receptores dessa massa migratória, que busca um fio de esperança para uma vida mais digna.

Pena que os problemas apenas mudam de país, já que as cidades que fazem fronteira com o Peru, rota migratória dos haitianos, não estão preparadas nem mesmo para propiciar aos seus cidadãos emprego e vida digna, como garantido na Constituição.

Muitos encontram-se em situações muito piores das que viviam no Haiti, passando fome, sem ter onde morar, dividindo com dezenas quartos apertados de pensões cedidas pelo poder público, dormindo amontoados como em navios negreiros.

É assustadora a situação desses haitianos, que vivem sem um fio de esperança, decepcionados, com suas expectativas frustradas, vivendo à margem da sociedade, sem documentação de permanência, enfim, marginalizados.

Com o forte aumento da chegada de haitianos no Brasil, será exigido visto de entrada para os que chegarem ao território brasileiro, de forma que deverão obter o visto de entrada no consulado brasileiro em Porto Príncipe, capital do Haiti, antes de embarcarem para o Brasil.

Falta tudo a essa gente que foge da sua terra natal, deixando família, vínculos, amigos, lembranças... em busca de melhores condições de vida.

Os esforços no sentido de legalizar os que já estão no Brasil são grandes, mas não são suficientes para prover as condições mínimas a que merece um ser humano.

Os que conseguem ser regularizados recebem CPF, carteira de trabalho e transporte para as capitais do Acre e Amazônas.

O caminho não termina aí, pois o sonho é conseguir emprego em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, capitais já abarrotadas de imigrantes de outros estados e países, mas ainda é uma ponta de esperança para essa gente sofrida.

Os haitianos são um povo alegre pela própria natureza, fervorosos em sua fé, que inicialmente era no voduísmo, mas com a colonização espanhola e francesa veio o cristianismo e mais recentemente o protestantismo.

Causou-me espanto ver imagens da situação degradante que a maioria dos haitianos recém chegados ao Brasil está passando, é muito abaixo da linha da pobreza, sem condições mínimas de higiene e alimentação.

A entidade Médicos Sem Fronteiras faz um trabalho maravilhoso nas cidades onde eles chegam ao Brasil, entregam um kit de higiene pessoal, ensinam o mínimo de saúde e higiene, mas por mais que isso seja muito, não é tudo.

Os haitianos podem se tornar um problema de saúde e segurança pública, pois se não houver absorção desse contingente no mercado de trabalho, serão um alvo fácil para a prostituição, tráfico de drogas e violência.

Uma triste realidade que por enquanto ainda apenas vemos pela televisão, pelos jornais, mas em breve poderá estar muito mais próximo."

Para Refletir...

Os ditados populares normalmente trazem em seu contexto muita sabedoria e fatos que efetivamente correspondem aos anseios da população. É algo universal, independe do idioma e da localização geográfica, as pessoas buscam maneiras eficientes e criativas de se comunicarem.

Dia desses estava assistindo um canal da TV por assinatura e revi programas da década de 80, se pensarmos em termos de tempo não faz tanto tempo assim, os temas políticos abordados mudaram quanto à cronologia, mas não quanto ao contexto em si.

Explico, a banalização da corrupção que inunda a política, o fato de fazerem piadas com desvio de verba pública por empreiteiras em obras, projetos que nunca saem do papel, políticos que só deixam o cenário por motivo de óbito, etc e tal.

Achei engraçado em um primeiro momento, mas refletindo sobre o assunto concluo que é cômico se não fosse trágico.

Passaram-se 30 anos e as coisas não mudaram quase nada, isso é muito triste, que legado deixaremos ao próximo? Melhor nem pensar muito nisso, porque é frustrante.

Circula pelas redes sociais e e-mails a foto do Azulejo de Toledo, se você ainda não viu ou não recebeu o material, segue abaixo.


Os espanhóis são muito críticos e ácidos nos comentários, refletindo-se muito bem nesse azulejo, que em bom português seria algo assim:


O POBRE TRABALHA,
O RICO EXPLORA-O,
O SOLDADO DEFENDE OS DOIS,
O CONTRIBUINTE PAGA PELOS TRÊS,
O VAGABUNDO DESCANSA PELOS QUATRO,
O BÊBEDO BEBE PELOS CINCO,
O BANQUEIRO ESFOLA OS SEIS,
O ADVOGADO ENGANA OS SETE,
O MÉDICO MATA OS OITO,
O COVEIRO ENTERRA OS NOVE,
E O POLÍTICO VIVE DOS DEZ !

Recordo-me de um tio querido que certa vez me disse o seguinte "não sou brasileiro, estou brasileiro" quando falávamos sobre as agruras da política nacional, mas se formos pensar com profundidade, não é exclusividade brasileira, o texto espanhol bem demonstra.
 
Fato é que o tempo passa, novos políticos ingressam na vida pública, os problemas continuam, muitas vezes se somam aos não resolvidos e a vida continua!!!
 
Boa semana a todos!!!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Crônica de Uma Morte Anunciada...Chove Chuva, Chove Sem Parar...

Os noticiários de hoje anunciaram o aniversário de 1 ano da tragédia provocada pelas chuvas na região serrana do RJ, revi algumas cenas, como são impressionantes.

O tempo voa e com ele vamos nos esquecendo dos acontecimentos ou vamos nos habituando com eles, acabam caindo na vala comum do banal, mas ao rever as cenas, não tenho como negar que dá um aperto no coração.

Fico imaginando o que passam e sentem as pessoas que sobreviveram à tragédia, que perderam entes queridos, mas que ainda continuam esperando providências do poder público.

As chuvas do início do ano são constantes, não são mais surpresa para ninguém, por isso mesmo se reforça a pergunta que não quer calar “por que se anunciam tantas providências e não se concretizam nunca?”.

O brasileiro é conformado e resignado por natureza, essa é a única explicação, fosse em outro país que os desdobramentos seriam outros.

Enfim, não acredito que tais características mudem, por isso mesmo continuamos elegendo políticos do calibre que temos aí, é uma vergonha!

Uma boa oportunidade que temos é a eleição para prefeitos e vereadores que acontecerá ainda esse ano. Oportunidade ideal para não reelegermos os medíocres que aí estão e muito menos os que já saíram nas últimas eleições.

As chuvas esse ano também estão acima da média, fazendo suas vítimas, causando destruição e deixando marcas profundas. Não temos como nos esquivar da chuva, por isso a importância de políticas públicas específicas, que impeça ou minimizem o impacto das chuvas de verão.

Hoje o sol voltou a brilhar e com ele renasce a esperança por dias melhores. Vamos torcer!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Van Halen Vem Aí?!

Se você é fã de rock como eu, deve ter escutado por aí que a banda Van Halen está preparada para nova turnê nos EUA, então se prepare, porque a banda oficialmetne anunciou a turnê, que começará em Louisville, no Kentucky, já em 18/02. A programação inclui a passagem por mais de 40 cidades.

A turnê lançará o albúm "A Different Kind of Truth" , com estréia prevista para 07/02, mas o single "Tattoo" já deve estar rolando por aí, pois a data de lançamento é hoje, dia 10/01.


"A Different Kind of Truth" marca a reunião da banda com seu antigo vocalista David Lee Roth, que deixou o grupo em 1984.

Não é a primeira vez que eles se reunem para uma apresentação, em 1996 estavam juntos novamente para a apresentação do VMA, da MTV e em para uma turnê em 2007/2008, mas essas coisas você já está cansado de saber.

Uma prévia do que será a turnê foi vista pelo público de NY no dia 05/01, onde foi realizado o show antes mesmo do lançamento da turnê e do albúm, coisas de pop star, sorte de quem pode estar lá para conferir!!!

Especula-se também sobre a capa do albúm, que foi estampada em um outdoor em Times Square, com a data: 07/02, se não houver mudanças será essa aí:


85 Anos de Tom Jobim

Tom Jobim completaria em 25/01/12 85 anos, juntamente com o aniversário da cidade de São Paulo de 458 anos. Uma bela festa poderia rolar!

Certamente a cidade de São Paulo terá vários eventos comemorativos do seu aniversário, depois vamos divulgando as dicas e sugestões.

Quanto à data de comemoração do níver de Jobim, essa sim renderá festa e homenagem, dias 19 e 20 apresentam-se no SESC Vila Mariana, com o show  " Para Sempre Tom Jobim", Os Cariocas e Wanda Sá.

Uma excelente oportunidade para apreciar um espetáculo de primeira, com repertório de Jobim e muitas histórias contadas pelo grupo e pela cantora, que conviveram com o Maestro.

Programe-se para esse show, os ingressos são a preços camaradas, R$ 24,00.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A Principal Arma É a Indiferença

Como as pessoas nos contagiam com suas energias e seus comportamentos, é impressionante, mas não podemos permitir impunemente.

É sempre muito bom estar na companhia de pessoas alto astral, de bem com a vida, que mesmo atravessando situações difíceis e adversidades as encaram com bom humor, resignando- se diante da vida.

Resignação não é sinônimo de acomodação, mas sim de submissão à vontade maior, não impossibilitando a batalha para a superação.

Mas o assunto hoje não é sobre resignação propriamente dita, mas sim de como as diferentes pessoas se comportam diante da vida.

Umas com resignação e determinação, outras com revolta e determinação, a diferença crucial é o impacto que a resignação e a revoltam causam nas pessoas.

As revoltadas não aceitam os fatos como são e não os encaram com naturalidade, daí a pior das consequências, o mal humor.

É isso mesmo, pessoas revoltadas, que não são resignadas diante da vida, são mal humoradas e contaminam todas as demais pessoas que estão à sua volta.

Por isso é tão comum você conviver com alguém, seja no ambiente corporativo, na escola, no clube ou em casa, e sentir-se sugada na companhia dessa pessoa. Como diz uma amiga minha, essa é a típica vampira de energia, aquela pessoa que você não quer ter por perto nunca!!!!

Muito triste esse comportamento, mas o mais importante é identificarmos com rapidez quem são essas pessoas no nosso círculo de contato e criar ferramentas e mecanismos de defesa contra essa criatura mal humorada e sugadora das nossas energias.

Se você tem dúvidas em como identificar essa criatura, seguem algumas dicas:

1) Quase nunca a vampira de energia responde ao seu cumprimento

2) É uma pessoa que acha que o mundo conspira contra ela

3) Vê defeitos em tudo e em todos

4) É uma pessoa que não respira, mas “bufa”

5) Não sabe conviver com o sucesso alheio

6) Acredita cegamente que o mundo gira ao seu redor, tipo o seu umbigo é o eixo da rotação da Terra

7) Não sabe trabalhar em equipe

8) A primeira reação é sempre negativa e agressiva

9) Nunca se arrepende, apenas sente remorso

10) Trata os demais com desdém

Tenho certeza que você conhece alguém assim, eu conheço várias!!!!

Conviver com essas criaturas é uma tarefa árdua, mas muito divertida se você souber levar as coisas.

Experiências impagáveis são vividas por quem convive com uma vampira de energia, mas a mais engraçada de todas, em minha modesta opinião, é sentir a reação que a dita cuja tem quando você a trata nada mais nada menos do que como ela é: uma pessoinha que não vale a pena!

A indiferença por suas atitudes e teorias conspiratórias provoca um efeito bombástico, algo como o alho e o sol para a vampira, as vezes sou até acometida por uma onda de misericórdia com essas pessoas, mas ainda bem que não dura muito.

De toda forma, o que mais ouço de reclamações sobre pessoas como estas é que são donas de um mal humor crônico, incuráveis, contagiantes e repugnantes.

Triste isso, o mais triste ainda é que normalmente a pessoa não percebe seu comportamento e se acha a rainha da cocada preta, a mais legal das legais, a mais empolgada de todas, a mais amiga que existe, a que cabe perfeitamente no papel de vítimas das circunstâncias.

Se você identificou alguém ao seu redor com essas características, meus pêsames, mas se mais do que isso você se identificou com algumas dessas características, parabéns, há esperança para a sua recuperação, busque ajuda interna e externa para sumir desse grupo que causa tanta repulsa.

Acredito que todas as pessoas são dotadas de capacidade de serem melhores em tudo, mas para tanto é preciso ter plena consciência da necessidade da mudança.

Não é fácil, mas é possível, acredite, o que não dá é para aturar essas criaturas e incentivá-las a continuar sendo vampiras de energia.

Dia do Fico

"Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico".

Quem não se lembra da célebre frase de D. Pedro I, o então Príncipe Regente do Brasil, dita contrariando as ordens recém chegadas de Portugal.

É o Dia do Fico, 09 de janeiro, hoje, completando 190 anos.

Para quem não é tão bom em história assim, vamos resgatar o assunto, por volta de 1821 as coisas estavam conturbadas entre Brasil e Portugal, com disputas de poder, lógico, de forma que a Coroa Portuguesa não queria que a emancipação política do Brasil aconcetesse.

O Brasil teve sua época de Colônia abrilhantada com a chegada da Corte Real Portuguesa em 1808, já que D. João VI não estava a fim de encarar o poderio bélico de Napoleão e colocou toda a trupe, ops, Corte em návios e debandaram para a Colônia Brasil. O filme “Carlota Joaquina, Princesa do Brasil” retrata muito bem os fatos da chegada da Corte ao Brasil.

Com as coisas se restabelecendo na Europa, a Coroa Portuguesa retornou a Portugal, ficando por aqui D. Pedro I como Príncipe Regente, regendo a Colônia e se esbaldando em terras tropicais.

Mas como tudo o que é bom dura pouco, o fanfarrão foi chamado de volta a Portugal, fundamentando-se na vontade popular demonstrada com a assinatura de 8 mil pessoas, que expressaram se desejo na permanência de D. Pedro I no Brasil, o moço não exitou, soltou logo o grito: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico".

A desobediência de D. Pedro I foi essencial para alimentar o crescente monvimento pela emancipação política do Brasil, culminando com a Proclamação da Independência no mesmo ano de 1822, mas esse é outro assunto.

Então tá, hoje é o Dia do Fico, uma boa inspiração para cada um ir ficando mais próximo de quem gosta, vamos ficar pessoal, mas na boa e com responsabilidade.

Ah, hoje também é o aniversário da minha querida amiga Giane, então parabéns Gi.