terça-feira, 20 de setembro de 2011

Rodinhas nos Pés: Curitiba

Nada como ter Rodinhas nos Pés e ir passear por aí, curtir a vida, os lugares, experimentar comidas diferentes, enfim...ver o que o mundo tem a nos oferecer.

Vamos dar uma voltinha na bela Curitiba, capital do estado do Paraná, na região Sul. Cidade urbanizada, mas que ainda respeita o verde, com belos parques, muitas árvores e araucárias esplendorosas.

O roteiro proposto é de um fim de semana, começando na sexta a noite e terminando no domingo a noite, então temos que correr.

Uma boa pedida para o jantar é ir na Santa Felicidade e provar do rodízio italiano do Madalosso, mas fica a dica, vá no Velho Madalosso e pare o carro no Novo Madalosso. Qual a diferença? Estilo e charme, no velho é possível sentir um certo ar de nostalgia, já no novo parece mais que você está na Daslu.


Para os padrões de preços paulistas, os preços são muito bons, a carta de vinhos tem boas opções. Pena que a casa não conta com serviço de guindaste, porque depois de se fartar com as iguarias, é difícil levantar e atravessar a avenida para ir buscar o carro.


Madalosso significa agricultor hábil, que conserva a colheita. É um belo restaurante, boa comida, bom serviço e bom preço.

Para o sábado a boa pedida é fazer o passeio com o ônibus turístico, ele circula pela cidade toda, passando pelos principais pontos turísticos e olha que são muitos.

É possível fazer 4 paradas durante o percurso, com isso você escolhe os lugares que quer conhecer e descer, respeitando-se os horários do itinerário você consegue ter uma visão bem ampla da cidade.

A passagem tem o preço de R$ 25,00 por pessoa, única ressalva são as limitações de 4 paradas, em outros lugares onde há serviço semelhante de ônibus turístico, o preço também é único, mas sem limitações.

O roteiro que sugiro é o de sair com o ônibus no Shopping Estação, que é um prédio antigo onde funcionava uma estação de trem, por isso o nome do shopping.

A praça em frente à antiga estação é charmosa, florida e arborizada. A estação foi parciamente preservada no shopping, há inclusive um trem parado, ambientado e conservado, ótimo para tirar fotos.



Próxima parada é o Jardim Botânico, ponto muito conhecido da cidade e que vale a pena ser explorado. Além do jardim em si ser belíssimo, a estufa é maravilhosa, toda em estrutura metálica e vidros, que pode ser um problema no verão.



Aproveite para caminhar pelo parque, apreciar a vegetação, o lago, as flores e árvores. É um excelente lugar para meditar ao ar livre.

Parada 2 foi a Ópera de Arame, meu local preferido, com vegetação exuberante em meio ao Parque das Pedreiras, construído aproveitando-se uma antiga pedreira, com formação de lago artificial, cascata com queda de 10 m e ainda por cima o teatro Ópera de Arame.



Além de ser cheio de charme, o teatro é todo em estrutura metálica tubular, inspirado no Ópera de Paris. É o local escolhido por muitos artistas para se apresentarem em Curitiba.

Por lá já passaram Roberto Carlos, Toquinho, Paul McCartney, entre outros.


Próxima parada foi o Parque Tanguá, outro espaço dedicado ao lazer e apreciação da natureza exuberante, que rodeia o parque inaugurado em 1996. Também faz parte do complexo de pedreiras existentes no local anteriormente.



O projeto aproveitou o terreno acidentado do complexo de pedreiras, de forma a fazer belos caminhos de água.

Vale a pena passar um tempo apreciando a vegetação, paisagem e vendo o tempo apenas passar nesse belo parque.

O último ponto turístico visitado foi o Parque Barigui. É o maior espaço da cidade, pronto para receber seus visitantes e frequentadores que caminham, correrem, andam de bicicleta, etc.

É o local preferido pelo curitibano, está para Curitiba como o Ibirapuera está para São Paulo. É belíssimo, com muitas opções de lazer.

Nesse parque você ainda pode visitar o Museu do Automóvel, uma instituição privada que mantém uma coleção também particular de belos carros antigos. Vale a visita, o ingresso tem o preço simbólico de R$ 5,00 por pessoa.



O local é amplo, arejado, mas sujeito às inundações típicas da estação das chuvas, por isso está com um pavilhão em reforma. Os carros expostos são um sucesso e com o ar de nostalgia das antiguidades.

Bom, depois de conhecer Curitiba e passar por tantos outros pontos turísticos, voltamos ao ponto de partida.

Jantar no sábado a noite é uma delícia, que começa com a eleição do restaurante, são tantas opções, que não é uma tarefa fácil. Em Santa Felicidade há uma infinidade de restaurantes italianos, mas escolhemos uma churrascaria, a Colonial, com um rodízio muito bem servido.

Não deixe de visitar em Santa Felicidade a Durigan, vinícola onde se aprecia de vinhos a biscoitos e queijos, é bem gostoso.

Agora só nos resta o domingo, que programamos fazer o passeio de descida pela estrada da Graciosa até a cidade de Paranaguá, no litoral paranaense, com direito a parar em Morretes.



A serra da Graciosa é belíssima em vegetação, paisagem, flores, vale a pena fazer a descida de carro, assim se pode apreciar com mais detalhe a paisagem, se o dia for ensolarado, melhor.

Em Paranaguá vale a caminhada pela orla, que não é do mar, mas do canal, tudo muito simples, mas com arquitetura mista, que está sendo restaurada pela cidade, ganhando cores novas e dando um ar de "Caminito" ao lugar.

O Mercado de Artesanato é pequeno, mas cheio de charme. No prédio da antiga bolsa de café hoje se encontram instalados pequenos restaurantes familiares, onde se serve boa comida a preços muito honestos.



É uma aventura sentar-se nesse espaço e apreciar a comida caseira com gostinho de mar, os pratos são simples, sem grandes elaborações, mas deliciosos e servidos fartamente, experimente.

Depois isso tudo é hora de por os pés na estrada e pegar a subida da serra, mas desta vez pela BR 277, acesso novo que nos conduz com rapidez e segurança a Curitiba.

O fim de sema é bom, mas dura pouco e é curto, então está na hora de voltar para casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!!