sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Educação no Brasil É Um Caso Sério ou de Piada?

 Educação no Brasil é um caso sério ou de piada? Pergunta que não me canso de fazer a cada vez que vejo na mídia os assuntos que os órgãos públicos na diferentes esferas perdem tempo em discutir.

Se você nasceu até os anos 70 não passou pela infância sem curtir as fantásticas estórias de Monteiro Lobato do Sítio do Pica-Pau Amarelo e de outras obras, você teve seus valores morais e éticos afetados ou influenciados por essas obras? Você se tornou uma pessoa racista por força das expressões usadas pela Emília e outros personagens mais comportados?

Respondo por mim, eu só tive influências positivas com as broncas que a D. Benta dava na Emília, no Pedrinho e no Saci, o cunho moral embutido nas estórias eram educativos e faziam as crianças refletir.

Agora vieram com essa de que as expressões usadas em Caçadas de Pedrinho são pejorativas e de cunho racial, merecedoras de notas explicativas. Por favor...tem coisa muito mais importante para se cuidar no que diz respeito à educação no Brasil, ou melhor dizendo, à falta de educação.

Trabalhar na formação e desenvolvimento dos professores das redes públicas estaduais e municipais isso não se vê, a maioria dos jovens são apenas alfabetos funcionais, isso significa dizer que não são capazes de compreender interpretar textos, apenas lêem frase, desconectadas do seu conteúdo.

Mas quem se preocupa com isso? Enquanto o povo continuar sendo massa de manobra para político populista tudo está bem e nada será feito.

Eu efetivamente fui alfabetizada na rede pública, o professor tinha um papel não apenas de ensino, mas de educador e hoje isso não existe mais na rede pública de ensino, com raras exceções.

Ao invés de incentivarem a leitura, fornecer livros grátis, disponibilizar bibliotecas e centros de estudo, criar projetos que de fato despertem o interesse na criança e no jovem pela leitura, ficam querendo colocar nota em Monteiro Lobato!

Ah, mas não para aí, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) decidiu que os estudantes não podem usar lápis e borracha nas provas do ENEM, se nas aulas podem ser usados por que no exame não podem?

Não teriam coisas mais importantes para fazer com relação à prova? Efetivamente qual o perigo ou risco que o uso de lápis e borracha representa? Já sei...com a onda de violência que atinge o país, vai que algum estudante resolve cravar o lápis nos olhos de outro estudante!!!

O Brasil precisa de educação de qualidade, com vagas em escolas nas proximidades da casa de crianças e jovens, professores bem preparados, com amor ao ofício e bem remunerados, precisa de projetos de incentivo ao estudo e ao desenvolvimento de pesquisa científica e tecnológica, precisa que a tão pregada igualdade comece pela educação, onde o jovem de classe social mais abastada concorra de igual para igual com os de classe social menos favorecida nas universidades públicas.

Não adianta iniciativas políticas e populescas de estabelecer cotas para o ensino universitário, ter a garantia de vaga no início da graduação não é garantia de condições de término do curso.

A evasão nas universidades vai favorecer as transferências de estudantes que foram barrados pelas cotas e o que se tentou proteger continuará à margem da educação de qualidade porque não pode continuar o curso, já que tem que trabalhar para sustentar a si e muitas vezes à família.

Com isso prolifera-se a olhos vistos a quantidades de universidades particulares onde o intuito é o lucro e não o ensino, as mensalidades podem até caber no bolso, mas não formam para o mercado de trabalho competitivo de mundo globalizado, porque diante dos extremos vivemos em um mundo globalizado.

3 comentários:

  1. Sinceramente, AMEI! Super verdade, não discordo de nada que há nessa crônica! Está de parabéns!

    ResponderExcluir
  2. A mais pura verdade, alunos não são mais assistidos...virou baderna pura

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!!